Na PB, padre deputado é proibido de exercer sacerdócio

O arcebispo de João Pessoa, d. Aldo Pagotto, proibiu o padre e deputado federal Luiz Couto (PT) de exercer qualquer atividade relacionada ao sacerdócio. Couto está impedido de celebrar missas, realizar casamentos e batizados ou qualquer outro sacramento da Igreja Católica. Motivo: em matéria publicada hoje no jornal O Norte, da capital paraibana, o padre criticou o celibato, defendeu o uso de preservativos e disse ser contrário à intolerância e discriminação a homossexuais. A matéria foi reproduzida do portal Congresso em Foco.A reação da Arquidiocese foi imediata. Pagotto publicou nota oficial na qual afirma que as declarações do parlamentar contrariam o Vaticano. "Vejo-me na grave obrigação de suspender o referido sacerdote do uso de Ordem em nossa circunscrição eclesiástica", disse. Para voltar às atividades, segundo d. Aldo Pagotto, Couto precisa se retratar publicamente. O deputado não foi localizado para falar sobre o assunto.

ADELSON BARBOSA DOS SANTOS, Agencia Estado

25 de fevereiro de 2009 | 18h13

Tudo o que sabemos sobre:
religiãoIgrejapadredeputadoPB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.