Na TV, PSDB mostra Serra 'sujeito simples' e exalta experiência

O candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, foi a peça-chave do programa do partido exibido em cadeia de rádio e TV nesta quinta-feira, o qual focou na experiência política e administrativa do ex-governador de São Paulo e tentou dar ao tucano a imagem de um político ligado ao povo.

REUTERS

17 de junho de 2010 | 22h14

Chamado de "Zé Serra, sujeito simples, de bem com a vida, de bem com seu povo", o candidato apresentou sua família, trajetória política e realizações nas áreas da educação e saúde, pasta que comandou entre março de 1998 e fevereiro de 2002 durante o governo Fernando Henrique Cardoso.

Apresentado como "melhor ministro da Saúde que o Brasil já teve", visitou hospitais e conversou com beneficiados por seus programas quando prefeito de São Paulo, governador do Estado e ministro da Saúde.

Ao comentar a área da saúde, fez uma crítica indireta ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Nos últimos anos, parou de avançar a saúde", disse o candidato, ao conversar com um eleitor.

O programa do PSDB também destacou uma realização de Serra voltada a um segmento da sociedade em que Lula, ex-sindicalista, tem muita influência: os trabalhadores. O tucano foi chamado de criador do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), "o maior patrimônio dos trabalhadores brasileiros", e considerado um "governante testado nas ruas e aprovado pelo povo". Destacou sua experiência e o lema de sua campanha, "O Brasil pode mais".

"Quando eu digo 'O Brasil pode mais', é porque pode mais. Agora, precisa fazer ele ir para a frente e eu acho que eu sei", declarou. Uma das táticas da oposição é apontar a falta de experiência política da candidata do PT, Dilma Rousseff, sua principal rival na sucessão presidencial.

"Precisa querer, precisa saber como fazer", disse ele.

Em diversas vezes, o programa intercalou declarações de populares sobre Serra, como "tem muita experiência" e "é bom administrador", e visitas dele a eleitores.

"O Brasil avançou em algumas coisas, mas ainda falta muito por fazer", afirmou Serra no final do programa de seu partido.

"O nosso país pode melhorar muito se o governo cumprir melhor a parte dele", acrescentou, citando as áreas da saúde, educação e segurança.

Na última pesquisa Ibope, divulgada no dia 5, Serra e Dilma apareceram empatados com 37 por cento das intenções de voto. O levantamento foi feito após a exibição do programa do PT em rádio e TV, que teve a candidata como personagem central, e apontou alta de cinco pontos percentuais da petista em relação à pesquisa anterior, de abril. Serra caiu três pontos.

A oposição aposta que a exposição de Serra na propaganda de rádio e televisão levará a uma reação do tucano nas pesquisas.

(Por Hugo Bachega)

Tudo o que sabemos sobre:
ELEICOESSERRATV*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.