Namorado de acusada de envenenar crianças em SP se entrega

Em depoimento, adolescente suspeita disse que jovem a ajudou a planejar crime alguns dias antes de executá-lo

Solange Spigliatti, estadao.com.br

24 de março de 2009 | 12h06

O namorado da adolescente Ana Carolina Brás da Silva, de 17 anos, acusada de ter envenenado uma família com um bolo de chocolate na última quinta-feira, na zona sul de São Paulo, se apresentou ao 6.º DP, no Cambuci, na manhã desta terça-feira, 24, segundo informações do delegado Maurício Druziani. A jovem confessou ter colocado o veneno no bolo.

 

Veja também:

linkPresa jovem acusada de envenenar família com bolo em SP

 

O desempregado Amauri Araújo de Lima, de 21 anos, chegou à delegacia por volta das 11 horas, acompanhado de um advogado. De acordo com o delegado, o depoimento do suspeito ainda não começou e ele deve permanecer na delegacia até por volta das 15 horas.

 

Lima foi acusado de ter participado do crime durante o depoimento da garota, na última sexta-feira, após ser presa na casa dos pais, no Cambuci. De acordo com o delegado, a adolescente confessou ter comprado e colocado o chumbinho no pedaço de bolo de chocolate, também comprado por ela.

 

Segundo o depoimento, ela e o namorado - pai da criança que a empregada doméstica Ivonete Mendes Rodrigues, de 30 anos, espera há 5 meses - planejaram o crime alguns dias antes de executá-lo. De acordo com Ana Carolina, Lima queria que Ivonete abortasse, pois não queria ter responsabilidade com a paternidade e também planejavam a morte da mulher, que segundo a garota, estaria fazendo ameaças contra ela.

 

Ainda segundo depoimento de Ana Carolina, quando os dois colocaram o bolo na janela da casa de Ivonete, ela ainda lembrou das crianças, que poderiam comer o doce e morrer no lugar da mãe. Segundo ela, Lima disse "é problema dela, para pagar os males que já fez". O bolo foi ingerido por três dos seis filhos de Ivonete, de 4, 5 e 6 anos. As crianças foram internadas no Hospital do Grajaú, e já receberam alta. Após confessar o crime, Ana Carolina foi transferida para uma unidade da Fundação Casa.

Mais conteúdo sobre:
envenenamentocriançasSPbolo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.