Namoro virtual termina em seqüestro na África

Gangue africana atraiu vítima com suposta namorada virtual e atacou quando foi encontrá-la

AP

13 Agosto 2007 | 15h19

Uma gangue do Mali atraiu o fazendeiro australiano Des Gregor, 56, com uma promessa de amor e o tomou como refém por 12 dias. O fazendeiro viajou ao país africano no mês passado para conhecer sua suposta noiva, Natacha, que ele havia conhecido pela internet. Gregor acreditava ainda que iria receber pela união um dote em barras de ouro, cujo valor estimado era de cerca de US$ 85 mil (aproximadamente R$ 165 mil).   No entanto, quando chegou ao Mali, Gregor, que cria ovelhas e cultiva trigo, foi seqüestrado por uma gangue de bandidos armados que o agrediram com uma faca e roubaram seus cartões de crédito e dinheiro.   Após retornar ao sul da Austrália neste domingo, acompanhado por uma escolta policial neste, Gregor disse que os homens ameaçaram desmembrá-lo se ele não pagasse um resgate no valor do dote que fora receber.   A polícia da Austrália e a do Mali, alertadas pela família de Gregor, enganaram os seqüestradores ao prometer que o resgate estaria na Embaixada do Canadá.   Gregor disse que foi recebido no aeroporto, em sua chegada, por um homem bem-vestido e depois foi levado à presença dos outros homens que o ameaçaram com a faca e uma pistola caseira.   "É difícil de explicar o que eu pensei", ele disse. "Eu basicamente estava pensando que o que acontecia e eles começaram a pedir dinheiro - então eu sabia que as coisas estavam ficando sérias", afirmou o fazendeiro.   Gregor disse que "aprendeu sua lição" e mandou uma mensagem àqueles que procuram amor na internet: "Sejam cuidadosos".   A polícia federal australiana afirmou em comunicado que o o caso de Gregor é um "exemplo extremo" do que pode acontecer quando as pessoas acreditam em tudo o que lêem na internet e pediu aos australianos que tenham cautela.

Mais conteúdo sobre:
Web África

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.