Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

'Não aceitaria ser nomeado reitor sem o voto da maioria', diz 1º colocado na PUC

Vencedor da eleição e atual reitor da universidade, professor Dirceu de Mello recebeu a nomeação da 3ª colocada com surpresa

Entrevista com

Paulo Saldaña, de O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2012 | 02h08

Atual reitor da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo, mas preterido pelo cardeal d. Odilo Scherer para continuar no cargo, o professor Dirceu de Mello afirma que não aceitaria comandar a instituição caso não fosse vontade da maioria da instituição. Na votação de alunos, professores e funcionários, Mello foi o primeiro, com 1,7 mil votos ponderados a mais do que a professora Anna Cintra, a terceira colocada, que foi nomeada reitora.

Ao 81 anos, com mais de 50 de PUC, o ex-presidente do Tribunal de Justiça se diz surpreso. "Fiquei constrangido, triste, mas o cardeal é quem decide."

Como recebeu a escolha?

Com muita surpresa, fiquei desgostoso. É a tradição, embora o estatuto permita que o cardeal escolha um dos três. Ademais, nós candidatos assinamos um documento em que todos diziam que só aceitariam a nomeação se fossem o primeiro.

Sentiu-se traído?

Isso (de aceitar sem ter sido o primeiro na eleição) é uma deliberação pessoal, mas assinamos o compromisso em assembleia com os alunos e tínhamos um compromisso escrito. Se eu não fosse o primeiro e fosse nomeado não aceitaria, porque se eu não tenho maioria de uma coletividade não me sinto à vontade de dirigir a instituição.

O senhor falou com o cardeal sobre os motivos da escolha?

Ele só mandou uma carta, respeitosa, cumprimentando-me pela gestão, mas não tocou no assunto. Eu também não tomei a iniciativa. Uma conversa a essa altura não seria confortável.

Houve alguma briga? O senhor teve alguma informação de que sua gestão desagradava?

Essa é uma das razões da minha surpresa. O relacionamento sempre foi bom. Encontrei a universidade em uma situação financeira calamitosa. Não está ainda totalmente recuperada, mas à vista de antes, a situação financeira é de razoável conforto.

Além desse avanço financeiro, qual foi o maior destaque na sua gestão na área educacional?

Além do financeiro, houve vários avanços no campo educacional, e na carta o próprio cardeal destaca isso. Mais recentemente, fizemos um convênio com a (universidade francesa) Sorbonne, o primeiro no Brasil. Mas o cardeal entendeu que tinha de nomear outro. Respeito, mas ficar aborrecido é direito meu.

Declaração recente de um bispo colocou polêmica na relação da Igreja com a PUC. Episódio parecido se repetiu na PUC do Paraná. A escolha pode ter relação com valores da Igreja?

Olha, eu também sou católico, fui criado na religião. Esse obstáculo também não existe.

Como é sua relação com a nova reitora?

Boa, apesar de ela ter ficado bravinha nos debates para a reitoria. Nem sempre teve aquele fair play. Mas todos os candidatos tinham condições de assumir.

Francisco Serralvo, segundo colocado, disse acreditar que seria insubordinação caso ela não aceitasse. Concorda?

Meu pensamento é diferente. O dono do meu comportamento sou eu. Desde que eu tomo uma decisão, relativo a algo de aspecto moral, entendo que é dogma, obrigação. Se me constrangesse assinar o compromisso, teria dito que não era meu pensamento.

Como vê o movimento dos alunos de repudiar a escolha?

Nós nos orgulhamos de ter democracia na universidade. Tanto é que dessa consulta participaram alunos, professores e funcionários. Foi outro cardeal, o d. Paulo Evaristo Arns, que introduziu como regra a lista tríplice. A regra veio de parte da Igreja, embora saiba da prerrogativa do cardeal.

O senhor foi até aplaudido pelos alunos nessa quarta.

É claro que me sensibiliza, é um conforto, mas fico na minha posição. Fiquei constrangido, triste, mas o cardeal fez sua escolha, usou a regra. E vou cumprir o meu mandato até o último dia.

Tudo o que sabemos sobre:
PUCreitoria pucanna cintra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.