Não há sinal de abuso de álcool por astronautas, diz Nasa

Relatório de comitê independente mencionava denúncias de que astronautas teriam embarcado embriagados

Carlos Orsi, estadao.com.br

29 de agosto de 2007 | 15h34

Uma análise de segurança da Nasa, divulgada nesta quarta-feira, não encontrou evidências que apóiem a alegação de que astronautas embarcaram bêbados em missões espaciais. A revisão, que avaliou os últimos 20 anos de viagens ao espaço, se segue a uma declaração dada no início deste mês pelo administrador da Nasa, Michael Griffin, afirmando que uma revisão dos últimos dez anos  não havia encontrado sinais de abuso de álcool.   Veja também:  Revisão de segurança dos vôos espaciais (PDF em inglês)   Relatório elaborado por um comitê independente, apresentado no final de julho, mencionava denúncias de que astronautas teriam embarcado embriagados pelo menos três vezes, inclusive contra recomendações médicas.   O comitê independente havia sido criado  depois que a astronauta Lisa Nowak foi presa, em fevereiro, acusada de tentar seqüestrar uma rival em um triângulo amoroso. A questão do álcool ocupava apenas uma pequena parte do texto, que se debruçava sobre as práticas de avaliação médica e psicológica de astronautas.   Imediatamente após a divulgação do relatório do comitê, a agência espacial apresentou planos para um código de conduta que explicita a proibição do consumo de álcool nas 12 horas anteriores ao início de uma missão.   Segundo a Nasa, a análise apresentada nesta quarta-feira envolveu cerca de 90 entrevistas com testemunhas e participantes dos dias anteriores ao lançamento de naves russas Soyuz; revisão de registros de vôos espaciais realizados a partir de 1984, envolvendo 94 missões de ônibus espaciais e dez missões de Soyuz; e uma inspeção dos alojamentos de astronautas no Centro Espacial Kennedy e  no Centro Espacial Johnson.   "Fui incapaz de confirmar qualquer caso em que um astronauta, membro de tripulação de vôo espacial, tenha estado incapacitado no dia do lançamento, ou qualquer caso em que o gerente de um médico de vôo, ou um outro membro da tripulação, tenham ignorado uma recomendação do médico para que um membro da tripulação não voasse", diz o resumo executivo do texto, elaborado por Bryan O’Connor, chefe do Escritório de Segurança e Garantia de Missão da Nasa.    O relatório inclui uma declaração, assinada pelos médicos de vôo, afirmando que não há evidências de astronautas incapacitados pelo álcool no dia do lançamento de uma missão.

Tudo o que sabemos sobre:
astronautanasalisa nowak

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.