''Não sei se vou processar e quem''

Geisy troca o câmpus pela TV

Flávia Tavares, O Estadao de S.Paulo

31 Outubro 2009 | 00h00

"Eu tô me maquiando. Vou entrar daqui a pouco em algum programa." Era começo da tarde quando Geisy, a garota assediada na Uniban, atendeu o celular. Ela estava nos estúdios da Rede Record, na Barra Funda, e havia desistido de ir ao câmpus da faculdade, onde discutiria seu caso e seu retorno às aulas com a diretoria. A mãe da estudante foi em seu lugar, mas o conteúdo da reunião não foi divulgado.

"Preferi esperar a opinião de um advogado e não consegui um ainda. Quero ver se devo processar e quem", explicou a estudante de turismo. Ela passaria a tarde participando do programa Geraldo Brasil.

De blusa preta de manga comprida, gola alta, calça jeans apertada e salto alto, Geisy recontou seus momentos de apuro por conta de um vestido curto. O apresentador insistia para que ela vestisse a peça rosa-choque, mas a garota repetia: "Não quero me expor." Mas acabou cedendo ao longo do programa.

Depois de descrever as minúcias do episódio e discuti-lo com Leão Lobo e o promotor de eventos Amir Kader, Geisy declarou que assume parte da responsabilidade no caso, "mas isso não justifica me tratarem como um animal".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.