Nas Américas, brasileiros são os 'mais pessimistas' sobre Cuba

Pesquisa ouviu pessoas em nove países do continente americano.

Da BBC Brasil, BBC

21 de fevereiro de 2008 | 09h10

Os brasileiros são os mais pessimistas em uma pesquisa feita no continente americano sobre o futuro de Cuba na era pós-Fidel Castro.O estudo, divulgado nesta semana pelo instituto americano PewResearch Institute, que ouviu pessoas em nove países do continente americano há pouco menos de um ano, mostrou que 24% dos brasileiros acreditavam que as condições da ilha se deteriorariam caso o ex-líder cubano morresse, a maior porcentagem entre os países pesquisados. Na época em que o estudo foi realizado, Fidel já havia repassado o poder para seu irmão Raul, depois de ter sido submetido a uma cirurgia, em julho de 2006. Os americanos se demonstraram os mais otimistas, com apenas 9% dos entrevistados opinando que a situação de Cuba se agravaria com a morte de Fidel.LegadoOs números ainda mostram que os brasileiros, além de mais pessimistas sobre o futuro de Cuba, também fazem uma boa avaliação sobre o legado de Fidel, que governou a ilha por 49 anos, antes de anunciar a renúncia na ultima terça-feira. Segundo o estudo, 39% dos brasileiros (terceiro maior índice) acreditam que Castro foi bom para o país e 33% acreditam que ele foi ruim.Para certa surpresa dos pesquisadores, a maioria dos venezuelanos (55%), cujo presidente Hugo Chávez sempre foi um aliado do ex-líder cubano, acredita que Fidel foi ruim para Cuba. Apenas 26% disseram que ele foi bom para seu país. "Enquanto Chávez contava com apoio de mais da metade dos venezuelanos na época da entrevista, os que o apoiavam apresentavam uma visão mista sobre Fidel", diz o estudo."Apenas 43% dos partidários de Chávez disseram que Castro foi bom para Cuba, enquanto que 30% disseram o contrário."Os americanos foram os que manisfestaram opiniões mais contrastantes sobre o legado de Castro, avalia a pesquisa. Para 66% dos entrevistados nos EUA, o maior índice registrado, Fidel foi ruim para Cuba, e apenas 15% acreditam que ele foi bom para a ilha.A segunda pior avaliação veio dos mexicanos: 61% dos entrevistados acreditam que o governo Castro foi ruim.Os canadenses foram os que manifestaram a visão mais positiva sobre o legado de Fidel: 44% disseram que ele foi bom e 15% acreditam que ele tenha sido ruim.O segundo maior índice de aprovação do ex-líder cubano veio dos bolivianos (42%). O PewResearch Institute realizou a pesquisa no Canadá, Estados Unidos, Bolívia, Argentina, Brasil, Peru, Venezuela, Chile e México.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
pesquisacubalegadofidelpessimismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.