Epitacio Pessoa/AE-18/8/2011
Epitacio Pessoa/AE-18/8/2011

Nas escolas particulares de SP, alfabetização ocorre no 1º ano

Na rede pública da Região Sudeste, cerca de 54% aprendem leitura e escrita, mas só 35% dominam matemática

Mariana Mandelli, O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2011 | 00h00

A Região Sudeste, apesar de ter alguns dos Estados mais ricos do País, não apresenta as maiores médias se observadas as redes públicas de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo. No caso de leitura, 54,4% dos alunos das escolas estaduais e municipais desses Estados aprenderam os conteúdos estipulados. Em escrita, essa taxa cai para 53,8% e em matemática, piora ainda mais: 35,6%.

 

A situação melhora nas redes privadas do Sudeste. No caso de leitura, por exemplo, 85,1% das crianças estão com o aprendizado satisfatório, por exemplo.

 

Veja também:

 

linkAvaliação mostra que metade dos alunos de 8 anos não aprende o mínimo

 

Nas escolas particulares paulistanas frequentadas pelas classes sociais mais altas, a realidade segue esses dados. Em grande parte delas, o objetivo é, ao fim do 1.º ano do ensino fundamental - portanto, aos 6 anos - ter a sala toda sabendo ler e escrever com facilidade.

 

"Começamos efetivamente a ensinar a leitura e a escrita nessa idade", explica Isabel Cossalter, coordenadora do ensino fundamental 1 do Colégio I. L. Peretz. "É nessa faixa que ocorre todo o trabalho de letramento para alfabetização, para a criança decodificar as letras e realmente entender o que está lendo."

 

O acompanhamento individual do aluno, de acordo com as pedagogas, é essencial nessa etapa. "Dentro da sala, conto com uma professora auxiliar, que ajuda a olhar cada criança individualmente", afirma a professora do 3.º ano da escola, Sandra Biskier. "A classe também é pequena, com cerca de 15 alunos, para facilitar todo esse processo."

 

As escolas destacam que as principais dificuldades da alfabetização residem nas diferenças de níveis que os alunos apresentam no início do processo, já que há quem chegue sabendo ler e escrever porque aprendeu em casa. "Estamos recebendo crianças cada vez mais novas e, portanto, essas diferenças devem ser observadas", ressalta Isabel.

 

Na Escola Carlitos, onde a meta de alfabetização também é o final do 1.º ano do fundamental, quando chegam ao 3.º, as crianças passam a aprofundar a relação com a língua. "Eles já estão em outro ciclo e devem começar a produzir textos sabendo encadear as ideias", explica Laura Piteri, diretora pedagógica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.