Nasa comemora acionamento de equipamentos de robô

Espectrômetro de nêutrons russo e estação ambiental espanhola foram ligados com sucesso em Marte

WASHINGTON , O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2012 | 03h03

O Curiosity, robô explorador e laboratório móvel enviado recentemente a Marte pela agência espacial dos Estados Unidos (Nasa), acionou ontem o seu espectrômetro de nêutrons, chamado DAN (sigla para Albedo Dinâmico de Nêutrons), um aparelho capaz de detectar hidrogênio. É mais um sinal de que a missão de buscar sinais de vida antiga no planeta vermelho pode ser bem-sucedida.

Neste estágio inicial da missão no solo marciano, o Curiosity está checando se todos os seus instrumentos se encontram em bom estado. "Todos os instrumentos que estamos testando estão funcionando. Estamos orgulhosos ao anunciar que o instrumento DAN foi ligado com sucesso", afirmou John Grotzinger, do Instituto Tecnológico da Califórnia e diretor científico da missão.

A detecção de hidrogênio em Marte pelo espectrômetro pode significar a existência de água em forma de gelo, na superfície de um mineral e até mesmo no subsolo, a uma profundidade de no máximo 1 metro.

O DAN foi trazido ao projeto pela Agência Espacial Federal Russa (Roscosmos). Além dos Estados Unidos e da Rússia, outros seis países colaboram com essa missão: Espanha, Rússia, França, Alemanha, Itália, Canadá e Japão.

Também foi testada uma estação ambiental de fabricação espanhola, chamada Rems. De acordo com Grotzinger, os primeiros dados científicos coletados pelo Curiosity já podem ser divulgados a partir da próxima semana.

A Nasa está usando as câmeras do Curiosity para planejar os primeiros movimentos que o robô fará e em que pontos da Cratera Gale, onde pousou no último dia 6, serão realizadas as primeiras escavações. Já foi definido que o primeiro destino será uma interseção entre três tipos de terrenos chamada Glenelg. A primeira rocha que será perfurada também foi identificada e está a 2 metros de distância. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.