Nasa intensifica esforços para recuperar sonda em Marte

Os engenheiros da Nasa intensificaram seus esforços por recuperar o contato com a sonda Mars Global Surveyor, perdida dias antes de completar 10 anos em missão no planeta Marte."Os esforços para restabelecer as comunicações continuarão por um tempo indeterminado", disse à Efe um porta-voz do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa (JPL).As comunicações foram interrompidas no dia 5 de novembro, dois dias antes do décimo aniversário do lançamento da nave, em 7 de novembro de 1996.A Nasa informou que em 2 de novembro, após uma manobra rotineira para movimentar os painéis solares, a nave transmitiu que um dos motores encarregados da tarefa tinha problemas. Os programas a bordo responderam e mudaram o motor. Depois, aconteceu um lapso de comunicação de dois dias, mas o sinal voltou no dia 5.Desde então a nave não tem transmitido mais sinais. Segundo os cientistas, ela pôde ter iniciado uma reação programada para continuar funcionando, caso um dos painéis tenha atolado.O porta-voz do JPL afirmou que a sonda ainda não foi dada por perdida.Originalmente, o objetivo da Mars Global Surveyor era examinar durante um ano a superfície de Marte. Mas os cientistas do JPL decidiram ampliar a missão em várias ocasiões, a última no dia 1 de outubro.Para retomar o contato, a Nasa poderá utilizar a Mars Reconnaissance Orbiter, que acaba de entrar na órbita de Marte. A nave passará a uma distância de 150 quilômetros da Surveyor e vai tirar fotos da sonda para determinar sua orientação em relação ao Sol. Se a sonda não recarregou suas baterias por falha num dos componentes que estabelece sua posição em relação ao Sol, as esperanças de recuperar o funcionamento seriam virtualmente nulas, acrescentaram.Os controladores da missão também tentarão um contato com os veículos exploradores Spirit e Opportunity na superfície marciana.A sonda orbital é a mais antiga das cinco naves que sobrvoam a superfície marciana. Ela confirmou a existência de canais que parecem ter sido escavados pelo fluxo de água, assim como possíveisdepósitos minerais.

Agencia Estado,

14 de novembro de 2006 | 23h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.