Nasa tentará lançar Discovery amanhã, apesar de problemas

A Nasa deu sinal verde para o lançamento do ônibusespacial Discovery na terça-feira apesar das preocupações sobre a descoberta de uma rachadura de 12,7 centímetros na espuma isolante do tanque externo de combustível e do desprendimento de um pedaço de espuma de 7,6 centímetros de comprimento. A decisão deve acirrar o debate sobre se a agência espacial está priorizando o lançamento à segurança. O pedaço de espuma de 7,6 centímetros de comprimento que se desprendeu da rachadura é bem menor que o fragmento causou a queda da Columbia, matando sete astronautas em 2003. Contudo, os cientistas passaram grande parte da segunda-feira analisando se prosseguiriam com o lançamento ou não.Alguns especialistas de fora da agência estão desconfortáveis com a continuidade da missão, apesar de não terem fornecido mais informações para basear seus temores.O professor de engenharia da Universidade Carnegie Mellon, Paul Fischbeck, que foi consultado pela NASA sobre o delicado sistema de proteção térmica da nave, apontou que a agência informou que nunca havia detectado o desprendimento de espuma antes. "A questão é porque isto aconteceu agora e não antes? Se é algo que não foi detectado antes, isto o torna ainda mais curioso. É algo que deve ser entendido antes do lançamento.", afirmou o professor.Os engenheiros da agência espacial crêem que a rachadura e o desprendimento foram causados pela expansão e contração do tanque, durante o abastecimento com combustível super-resfriado. O pedaço que se soltou era pequeno demais para causar dano ao ônibus espacial, disse o vice-gerente do programa, John Shannon. Os inspetores detectaram a rachadura no isolamento durante uma checagem do ônibus espacial na noite de domingo. A NASA havia adiado o lançamento no sábado e no domingo por causa das condições meteorológicas.A previsão do tempo para a terça-feira é melhor que nos dias anteriores, com apenas 40% de chances de nuvens de tempestade, que poderiam impedir o lançamento.O administrador da Nasa, Michael Griffin, decidiu na semana passada que o ônibus deve entrar em órbita com o planejado, apesar das preocupações de outros membros da agência, incluindo um oficial de segurança de alto escalão que sugeriu mais reparos no isolamento de espuma.A missão do Discovery, neste vôo, será testar as técnicas de inspeção da nave em órbita - em busca, exatamente, de problemas provocados no lançamento - entregar suprimentos para a ISS e deixar lá o astronauta alemão Thomas Reiter, para uma missão de seis meses

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.