Natascha Kampusch vê paralelo entre seu caso e o de mulher presa pelo pai

Em entrevista exclusiva a programa da BBC, ex-refém austríaca fala sobre caso.

Da BBC Brasil, BBC

01 de maio de 2008 | 03h05

A jovem austríaca Natascha Kampusch, que passou mais de oito anos em cativeiro, disse se identificar com o caso de Elisabeth Fritzl, a mulher que foi mantida presa por 24 anos no porão de sua casa e abusada sexualmente por seu pai."Pouco a pouco eu percebi que havia semelhanças com a minha própria história. Então, toda essa história me afetou mais ainda" disse a jovem austríaca em uma entrevista exclusiva ao programa Newsnight, transmitido pelo canal de televisão BBC 2.Na entrevista, a primeira de Kampusch à televisão britânica, ela disse que Elisabeth e sua família vão precisar de "tempo e sossego" para se recuperar."Eles precisam de muito sossego e... o tempo cura todas as feridas", afirmou.SeqüestroKampusch foi seqüestrada aos 10 anos de idade, em 1998, e permaneceu mais de oito anos em um pequeno porão, sem janelas, sob a garagem da casa de seu captor, Wolfgang Priklopil, no subúrbio de Viena. Ela conseguiu escapar em agosto de 2006.O caso de Kampusch foi lembrado diante da revelação do novo escândalo de seqüestro e abuso sexual na Áustria, no último domingo, quando a polícia austríaca prendeu Josef Fritzl na cidade de Amstetten.Fritzl admitiu ter mantido Elisabeth, hoje com 42 anos, presa no porão de sua casa por 24 anos, ter abusado sexualmente da filha e ter tido sete filhos com ela.DoaçãoKampusch disse que deseja à família de Elisabeth Fritzl "boa sorte" e espera que eles superem (o drama). "Eu acho que pelo menos os (filhos) mais jovens vão conseguir", afirmou.Ela já havia anunciado à imprensa austríaca a doação de 25 mil euros (cerca de R$ 65 mil) a Elisabeth Fritzl e seus filhos.Em um comunicado, Kampusch pediu a realização de uma campanha de doações para a família e disse que um apoio de longo prazo a Elisabeth e seus filhos é "vital".Kampusch disse que está em contato com o advogado da família e as autoridades locais e está à disposição para ajudar.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.