Nave espacial da Índia envia imagens da Terra

Chandrayaan-1 mandou fotos tiradas a 9 mil km e 70 mil km de altitude

Da BBC Brasil, BBC

04 Novembro 2008 | 08h39

A missão indiana à Lua, Chandrayaan 1, enviou as primeiras imagens que fez da Terra.   Veja também:  Índia lança sua primeira missão não tripulada à Lua A nave foi lançada no dia 22 de outubro para uma missão de dois anos de exploração da Lua. As primeiras imagens, tiradas a uma altitude de 9 mil km, mostram a costa norte da Austrália, enquanto outras, tiradas a uma altura de 70 mil km, mostram a costa sul do país. A câmera usada para fazer as primeiras imagens tira fotos em preto e branco a uma resolução de cerca de 5 m e é um dos onze instrumentos científicos a bordo da Chandrayaan-1. Além de tirar as fotos da Terra, a nave também realizou uma manobra que a colocou mais perto da Lua. Foi a quarta manobra desse tipo feita pela nave, aumentando sua órbita em torno da Terra para mais da metade da distância até a Lua. Apenas mais uma manobra é necessária para levar a Chandrayaan aos arredores da Lua, a uma distância de 384 mil km da Terra. Quando chegar à Lua, a Cahndrayaan coletará imagens para um atlas 3D da superfície lunar e irá mapear a distribuição mineral e química do satélite natural da Terra. O lançamento da missão foi considerado um passo importante para a Índia na corrida espacial entre os países asiáticos, da qual também fazem parte a China e o Japão. Além da Índia, a China, Coréia do Sul e Japão estão de olho no mercado de lançamento comercial de satélites e consideram seus programas espaciais como um símbolo importante da estatura internacional do país e de seu desenvolvimento econômico. Mas os esforços do governo indiano na corrida espacial foram bastante criticados. Muitos consideram o programa um desperdício de recursos em um país onde milhões de pessoas não tem acesso a serviços básicos. O custo estimado da missão é de US$ 78 milhões (R$175 mi).   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.