Navios de cruzeiro de hoje são muito mais confortáveis

Titanic foi luxuoso no seu tempo, mas hoje causaria tédio ao passageiro, pela falta de entretenimento e de espaço público

NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

15 Abril 2012 | 03h07

Cem anos depois, o Titanic ainda tem seu nome ligado ao luxo e ao glamour de um transatlântico de primeira classe. Mas a vida a bordo do navio em nada se parecia com um cruzeiro de hoje.

O Titanic era um navio com propósitos práticos, principalmente o transporte de correio, carga e passageiros, muitos deles emigrantes. "Os navios de hoje são capazes de viajar a velocidades similares, mas raramente o fazem, pois os cruzeiros têm a ver com prazer", diz o historiador marítimo John Maxtone-Graham.

Oito músicos profissionais tocavam para os passageiros de primeira classe no Titanic, mas não havia nenhum outro entretenimento profissional. As atividades se limitavam a coisas como jogar baralho, ler, conversar e passear no convés. "A pessoa média de hoje sentiria um tédio mortal no Titanic", disse Charles Weeks, professor da Academia Marítima do Maine.

Havia uma biblioteca, um salão de fumar para homens e uma sala de leitura e escrita. Havia serviços religiosos. Mas não havia lojas nem piscinas, apenas uma pequena "banheira de imersão".

Os navios de cruzeiro de hoje apregoam cinemas, palestras, aulas de arte e culinária, cassinos, apresentações no estilo da Broadway, espetáculos de mágica, escalação de paredões, surfe e rinques de patinação no gelo. A bordo do Allure of the Seas, da Royal Caribbean, atualmente o maior navio de cruzeiro do mundo, há uma passarela, um passeio de teleférico com vista para um jardim ao ar livre com 100 metros de extensão, numerosas piscinas, serviços de spa e cerca de 25 opções de locais para se comer, além da primeira loja Starbucks no mar.

No Titanic, na primeira classe, havia um único salão de jantar para todas as refeições, com garçons de luvas brancas servindo em mesas com design refinado, e um restaurante a la carte.

"As cabines de primeira classe do Titanic eram muito luxuosas para seu tempo, mas para os padrões de hoje, eram muito pequenas", disse Charles Hass, presidente da Titanic International Society.

Fazer um cruzeiro hoje em dia é mais democrático. Os navios atuais tipicamente têm uma única classe de serviço, em vez das três do Titanic, e oferecem mais espaços a todos os passageiros. O Titanic tinha cerca de 18% de espaço público, mas a média atual é de cerca de 35% a 40% e, em navios de luxo, bem acima de 50%. E os cruzeiros modernos introduziram amplos recursos para passageiros com deficiências.

Mesmo alguns dos mais ardorosos fãs do Titanic admitem que a maioria das mudanças foi para melhor. A criação de uma réplica do navio chegou a ser discutida nos últimos anos. "Felizmente, nada disso foi feito", disse Haas. "Por melhor que o Titanic possa ter sido em seu tempo, ele seria um desastre prático e financeiro." / NYT, TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.