Nem Catedral da Sé escapou

O rastro da destruição causada na manifestação desta terça-feira, 11, continuava visível nesta quarta-feira. A reportagem refez a rota dos manifestantes e encontrou 11 agências bancárias com vidros quebrados e dezenas de prédios públicos, pontos de ônibus, estações de Metrô e até igrejas pichados. Segundo a São Paulo Transporte, 85 ônibus foram danificados.

BÁRBARA FERREIRA SANTOS, Agência Estado

13 de junho de 2013 | 07h52

Na Consolação, ao menos sete prédios foram pichados, incluindo um edifício da Universidade Mackenzie. Na Avenida Liberdade, a capela da Santa Cruz dos Enforcados, o prédio da Procuradoria-Geral do Município e o Largo 7 de Setembro tiveram o mesmo problema. Na Sé, nem a Catedral escapou. No Largo de São Francisco, a Faculdade de Direito e a Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado também foram pichadas. Na Paulista, várias lixeiras estavam fora do lugar e uma cabine da PM foi quebrada. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
tarifasprotestoCatedral da Sé

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.