Nem restaurante nem padaria. É comidaria

O que esperar de um estabelecimento idealizado por um publicitário que não cozinha nem bebe vinho e tem um blog de gastronomia (www.marketingnacozinha.com.br)? A Belo Comidaria, aberta há pouco mais de uma semana em Belo Horizonte.

ERICKSON ARANDA, ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

07 Março 2013 | 02h13

Há dois anos, um cozinheiro e um empreendedor queriam abrir uma casa de massas. Rafael Mantesso entrou na história como consultor, definiu um conceito mais ousado e virou o terceiro sócio. A Comidaria não é um restaurante nem uma padaria. É um pouco dos dois. É um espaço onde se pode tomar café da manhã, comprar pão, almoçar, fazer o lanche da tarde, o happy hour ou ir jantar. Os cardápios são enxutos e a comida é regional. Com um detalhe: preço acessível. "Um lugar para comer bem e barato o dia inteiro", define.

Segundo Mantesso, a ideia surgiu da região onde a casa está: Savassi, bairro nobre, que concentra bares e escritórios. Era preciso atender esse público flutuante. De dia, pessoas que trabalham por ali e não podem gastar muito com comida todos os dias, mas que, ao mesmo tempo, querem comer bem. E, à noite, gente que busca agito.

A casa fica aberta das 7h à 0h. A padaria vai até as 20 horas e vende de brioche de fermentação natural (R$ 34 o quilo) a lanches como pão molhado em ragu (R$ 18) e pão com carne de porco e picles de abacaxi (R$ 17,50).

No almoço, o prato executivo custa R$ 28 e inclui couvert e sobremesa. São duas opções por dia. Anteontem, era galinha braseada com arroz de forno ao molho caipira ou macarrão, feijão e linguiça. De sobremesa, amor em pedaço (torta típica de Minas recheada com um doce à base de abacaxi e coco, servida em pedaços). Comida de avó com apresentação contemporânea.

À noite, o serviço é à la carte, com opções como bochecha de porco com feijão-preto e vinagrete de laranja (R$ 25) ou leitão de prato com legumes amanteigados e purê de batata-doce (R$ 77, para duas pessoas). Para quem dispensa carne, há opções como nhoque de angu à Romana, com gema caipira, quiabo e caldo de legumes tostados (R$ 28).

Não tem peixes nem frutos do mar. E, de acordo com Mantesso, é isso que permite almoço a R$ 28. "É regional mesmo, com muita carne de porco e galinha. Para termos frutos do mar ou peixes de água salgada eles teriam de vir de avião, o que encareceria nossos pratos", explica.

Belo Comidaria

R. Orange, 67, São Pedro,

Belo Horizonte (MG),

(31) 3643-1569

7h/0h (dom., 7h/17h)

Cc.: todos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.