NIcotina pode proteger o cérebro contra danos do Parkinson

Novas pesquisas sugerem que um tratamento à base de nicotina protege contra o mesmo tipo de dano cerebral associado ao Mal de Parkinson. O estudo foi conduzido em animais de laboratório tratados com MPTP, um agente que produz uma perda gradual de função cerebral, característica do Parkinson. Animais tratados com nicotina tiveram 25% menos dano do MPTP do que os que não receberam a substância.Esse efeito protetor poderia explicar a menor incidência do Parkinson entre fumantes. O resultado sugere ainda que a nicotina poderá ser útil no tratamento da doença em seus estágios iniciais. O estudo, de cinco anos, foi conduzido por pesquisadores do Instituto Parkinson, e está publicado, online, no periódico Journal of Neurochemistry "Jamais recomendaríamos que as pessoas fumem, mas os resultados sugerem que a nicotina promove a sobrevivência de células produtoras de dopamina em animais sem sintomas evidentes de Parkinson", disse o médico David A. Schwartz, diretor do Instituto Nacional de Ciências da Saúde Ambiental, agência do governo americano que financiou a pesquisa. A destruição das células que produzem dopamina está ligada ao surgimento da doença.Embora não haja uma explicação imediata para o efeito protetor da nicotina, os pesquisadores acreditam que a substância pode estimular a liberação de proteínas chamadas fatores de crescimento, que têm um papel importante no crescimento e na reparação dos nervos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.