Nível do Sistema Cantareira cai mais uma vez, para 13%, e bate novo recorde

Volume de chuvas no início do mês está bem abaixo da média histórica, mas não há consenso no governo sobre racionamento

Agência Estado

05 de abril de 2014 | 12h05

SÃO PAULO - O volume do Sistema Cantareira, principal manancial paulista e que abastece quase 50% da Grande São Paulo e a região de Campinas, no interior, caiu para 13% neste sábado, 5, de acordo com dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Essa é a marca mais baixa registrada desde o início da operação do sistema, em 1974. Na sexta-feira, o volume estava em 13,2%. Há um ano, estava em 62%.

 

O volume de chuvas acumulado sobre a região do Cantareira nos cinco primeiros dias deste mês somou 20,6 milímetros. A média histórica para o mês de abril é de 89,3 milímetros. O novo secretário estadual de Saneamento e Recursos Hídricos de São Paulo, Marco Antonio Mroz, afirmou na sexta-feira que não há consenso no governo paulista sobre a necessidade de adotar o racionamento de água no Estado. "Essa questão não está cristalizada no governo. Não há um consenso sobre isso", disse.

 

A adoção de medidas restritivas para o uso da água do Cantareira havia sido defendida pelo presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu. Mroz afirmou acreditar que a água disponível é suficiente para levar o abastecimento até setembro.

Mais conteúdo sobre:
CantareiraáguaSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.