No Brasil, Spike Lee conhece artistas e políticos

Em viagem pelo Brasil para dar início aos trabalhos do documentário "Go, Brazil, go" ("Vai, Brasil, vai", em tradução livre), o cineasta norte-americano Spike Lee cumpriu o roteiro de celebridades estrangeiras em terras tropicais: conheceu artistas e políticos, atiçou a curiosidade da imprensa, conseguiu um encontro com a presidente Dilma Rousseff. Por pouco, o tour não incluiu também uma apresentação direta ao banditismo nacional.

RAFAEL MORAES MOURA, Agência Estado

26 Abril 2012 | 17h39

A reportagem acompanhou Spike Lee por todos os cantos quarta-feira na tentativa de fazer uma entrevista - foi ao Palácio do Planalto, ao Museu da República e ao bar do Mercado Municipal, onde assaltantes acabariam entrando em ação. Lee saiu do local pouco antes do episódio, a reportagem também.

No meio de petiscos, bebidas e convidados, o diretor passou parte do tempo cochichando com o deputado Romário (PSB-RJ) com uma notável expressão de cansaço (Romário gravou no dia seguinte um depoimento para o documentário, comentando política, Copa do Mundo e Olimpíada). Ao ser abordado pela reportagem, Lee foi educado - não deu a entrevista que o repórter clamava, mas autografou o DVD de "A última noite", um de seus melhores filmes. Escreveu o nome, seguido pela palavra "peace" (paz).

Mais conteúdo sobre:
Spike LeevisitaBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.