No centro de SP, feira do rolo fica em frente à PM

Pelo menos 200 homens com centenas de celulares usados, alguns com sacolas cheias, vendem os equipamentos todos os dias em uma feira do rolo na Praça Pedro Lessa e na Rua Capitão Salomão, no centro de São Paulo. A procedência dos produtos é desconhecida, mas, se questionados, alguns vendedores não escondem que foram furtados ou roubados. Para a Polícia Civil, os aparelhos são fruto de crime.

AE, Agência Estado

27 de abril de 2010 | 11h17

O mercado ilegal, que ocorre na presença da Polícia Militar e da Guarda Civil Metropolitana (GCM), aterroriza comerciantes e moradores, que se dizem cansados de pedir providências. Polícias Civil e Militar e Secretaria Municipal de Segurança Urbana afirmam que estão trabalhando para combater o crime. Ontem, a PM fez algumas apreensões, mas, assim que deixou a área, os vendedores voltaram.

Além dos celulares, é possível encontrar produtos usados e roupas com etiquetas de grifes. Um vendedor de armas aceita pedidos de pessoas indicadas. A feira é realizada todos os dias, aproximadamente das 17 às 22 horas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.