No Eataly de NY, uma açougueira de legumes

A famosa Jennifer Rubell quer criar um time de exímios cortadores

02 Setembro 2010 | 09h03

 
Arte. Legumes tratados com cuidados VIP

 Na última terça-feira, Nova York viu surgir uma nova profissão: açougueiro de legumes. É isso mesmo, um açougueiro - e neste caso, no feminino, pois se trata de uma mulher - de legumes, não de carnes.

 

A autora da façanha é Jennifer Rubell, ela mesma inventora de seu ofício. Sua tarefa é selecionar, cortar, picar ou descascar alfaces, beterrabas, cenouras, ervilhas e tomates no balcão da Eataly, nova empreitada do chef Mario Batali. Trata-se de um megacomplexo de mercados e estações dedicados à comida italiana, no coração da 5ª Avenida.

 

Jennifer soma o título de açougueira de legumes a outra meia dúzia de apostos. Figura emblemática entre nova-iorquinos endinheirados (http://www.jenniferrubell.com), é artista plástica, escritora e herdeira de imóveis, hotéis e obras de arte. Realiza happenings de "arte gastronômica" em galerias hypadas da cidade. É sobrinha de Steve Rubell, o falecido dono do Studio 54, discoteca lendária dos anos 70, onde, no meio da pista, esbarrava-se em gente como Michael Jackson, Andy Wharol, Calvin Klein e Diana Ross. Seus pais, colecionadores de arte, são como os "Thyssen-Bornemisza" de Miami.

 

Apaixonada por comida, Jennifer cursou o CIA (Culinary Institute of America) e estudou Artes em Harvard antes de conhecer Batali, no entra e sai de um estúdio de TV. "Depois que me formei, fui trabalhar no canal Food Network. Produzia programas, cozinhava para a equipe, comprava ingredientes para os shows, inclusive para os de Mario Batali. Curioso é que nunca conversamos ali. Até que um dia, no restaurante Balthazar, um homem, em outra mesa, insistia em atirar bolinhas de miolo de pão em mim. Adivinha quem era?", diz Jennifer.

 

Anos depois, de amigos passaram a parceiros de negócios. A ideia veio durante uma conversa regada a vinho - "talvez um pouco mais vinho do que deveria, já que dias depois não me lembrava de ter recebido nenhuma proposta", brinca ela. Às vésperas da abertura do Eataly nova-iorquino, Jennifer conversou com o Paladar.

 

 

Açougueira de legumes? Como surgiu a ideia?

Novidade, não? Nunca houve um açougueiro de legumes antes! Minha vontade é criar um time de exímios cortadores de legumes, gente que faça arte com eles. Adoro a ideia de ter inventado uma carreira! Começou como uma fantasia maluca. Estava em casa pensando e, num flash, lembrei que vivia reparando naquele exército de cozinheiros que passam o dia picando legumes, fazendo o mise-en-place dos grandes restaurantes. Concluí que há profissionais maravilhosos que merecem ser estrelas tanto quanto qualquer chef. E eles estão por toda parte. Dia desses joguei um anúncio no Facebook procurando gente interessada em ser vegetable butcher. Horas depois, centenas de pessoas tinham se candidatado à vaga. Já contratei quatro pessoas. É fascinante ter inventado uma profissão e ver a ideia pegar rápido assim.

 

 

Como será o trabalho no dia a dia?

Vou fazer o que o cliente quiser, do serviço mais simples - lavar, picar, descascar, selecionar - ao mais elaborado, como cortar fino, combinar ingredientes em uma mistura "personalizada". Ainda estou experimentando. A ideia tem muito a ver com as performances com comida em que proponho uma vivência diferente com o alimento. Será, acima de tudo, um exercício divertido e estimulante, porque verei de perto a resposta do público. Posso sair daqui a alguns anos, mas o Eataly terá esse serviço gratuito fixo.

 

 

 

Eataly NY

200 5th Avenue, Manhattan, Nova York, EUA

http://www.newyork.eataly.it

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.