'No futuro, prédio poderá ser reciclado no fim de sua vida útil'

Arquiteto envolvido no projeto Casa Eficiente Plus fala do papel da construção civil na redução das emissões

Entrevista com

BERLIM, O Estado de S.Paulo

08 Abril 2012 | 03h04

O projeto da Casa Eficiente Plus com Eletromobilidade foi escolhido por meio de concurso, vencido pela equipe do arquiteto Werner Sobek, da Universidade de Stuttgart.

Envolvido na primeira parte do projeto, o arquiteto e pesquisador Christian Bergmann, do Instituto de Estruturas Leves e Design Conceitual (Ilek, na sigla em alemão), da mesma instituição de ensino, disse que o setor de construção civil precisa cada vez mais se adaptar a padrões sustentáveis para tentar parar o aquecimento global. "A sustentabilidade é a chave para o futuro", disse Bergmann.

A seguir, leia trechos da entrevista concedida ao Estado:

Qual é a relevância de um projeto como esse na construção de um estilo de vida que seja mais sustentável?

O design proposto demonstra o potencial de acoplar os fluxos energéticos de veículos elétricos e construções civis. O projeto não apenas ilustra a possibilidade de construir residências familiares que gerem um excedente significante de energia, mas também demonstra como os prédios do futuro podem ser projetados e construídos para permitir uma reciclagem completa no fim de seu ciclo de vida útil. A abordagem usada pela equipe que projetou a casa em Berlim leva o conceito de "design sustentável" para um outro nível.

O fato de os veículos elétricos não liberarem emissões e precisarem de uma infraestrutura de abastecimento entre as cidades está fazendo com que o estilo de vida do futuro e os conceitos de mobilidade cresçam cada vez mais de maneira interligada.

Esta casa é apenas mais um exemplo do envolvimento do governo alemão com projetos sustentáveis. Por que, na sua opinião, há tanto investimento nesta área na Alemanha?

Eu não posso falar pelo governo alemão, mas no mundo inteiro já é reconhecido que a sustentabilidade, em seu sentido mais amplo, é a chave para o futuro. O setor de construção tem um importante papel nesta discussão, já que é o responsável por cerca de 35% do consumo total de energia e 35% das emissões de dióxido de carbono. Por isso, planejar e construir casas de eficiência energética é um passo importante para atingir os objetivos europeus de redução das emissões de dióxido de carbono para parar o aquecimento global.

Desde o início do mês, uma família de quatro pessoas está vivendo na casa sustentável de Berlim. Se essa experiência der certo, podemos esperar no futuro mais projetos como este?

Ter uma família morando no projeto faz parte do processo de pesquisa que desenvolvemos. O projeto está sendo monitorado com centenas de sensores que recolhem informações importantes para otimizar todos os parâmetros possíveis para futuras ideias.

Além disso, também servirá para descobrir como as pessoas utilizam a casa e seus veículos elétricos e como certos fluxos de energia estão se comportando durante o dia e a noite e durante o inverno e o verão.

O projeto deve fomentar o debate da sustentabilidade no setor de construção e, esperamos, também inspirar pessoas a investirem nessa área. Tanto no setor público quanto no privado, tenho certeza de que podemos esperar mais projetos de energia eficiente no futuro. / R.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.