No PR, nasce bebê gerado com sêmen de pai falecido

A professora curitibana Kátia Lenerneier, de 39 anos, conseguiu realizar o sonho dela e do marido, Roberto Jefferson Niels, morto em decorrência de câncer em fevereiro do ano passado, aos 33 anos. Ontem, Luísa Roberta, a filha que ela conseguiu gerar utilizando-se do sêmen congelado do marido. De acordo com a mãe, o segundo nome é em homenagem ao marido. Como ele não tinha deixado uma autorização por escrito, conforme prevê a resolução 1.385, do Conselho Federal de Medicina (CFM), Kátia precisou recorrer à Justiça.

EVANDRO FADEL, Agência Estado

21 Junho 2011 | 18h14

O juiz Alexandre Gomes Gonçalves, da 13ª Vara Cível de Curitiba, autorizou, em maio do ano passado, que o sêmen pudesse ser utilizado. A professora e o marido haviam procurado a Clínica e Laboratório de Reprodução Humana e Andrologia (Androlab), em Curitiba, em 2008, antes mesmo de Niels receber o diagnóstico de câncer, em fevereiro de 2009, porque ambos desejavam o filho e as tentativas de engravidar não eram bem sucedidas.

A decisão de congelar o sêmen foi tomada antes do início das sessões de quimioterapia. Ela conseguiu engravidar no fim de setembro do ano passado, na segunda tentativa, por meio da fertilização em laboratório e posterior introdução no útero da mãe. Apesar do posicionamento contrário do CFM, o juiz levou em consideração o desejo dos dois.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.