No Recife, médicos cubanos evitam sair dos alojamentos

Os 96 médicos cubanos que fazem curso de capacitação em Pernambuco e começam a trabalhar no dia 16 em municípios nordestinos e de Minas Gerais, dentro do programa Mais Médicos, cumprem uma rotina rígida e com pouca diversão. Alvo de polêmica, os profissionais são discretos, não se expõem e só podem ser contatados nas unidades do Exército onde estão alojados com autorização do Comando Militar do Nordeste.

ANGELA LACERDA, Agência Estado

09 de setembro de 2013 | 12h06

Alojados no 10º Esquadrão de Cavalaria Mecanizada, na BR-232, no bairro do Curado, no Recife, os homens só deixam a unidade nos dias de semana para irem, de ônibus, ao município de Vitória de Santo Antão, onde fazem um curso de capacitação que abrange legislação médica brasileira, aspectos sociais, econômicos e políticos do País e língua portuguesa.

Segundo os militares que faziam nesse domingo, 8, a guarda do Esquadrão, nenhum deles viu algum dos médico sair nos dias de folga. "A única coisa que eles fazem, aqui, é ir à sala de internet, falar com a família, contou um deles pedindo para não ser identificado. No primeiro fim de semana no Recife, um grupo de cinco médicos conheceu a praia de Boa Viagem, levado por um colega brasileiro. E só.

A imprensa está proibida de entrar no prédio e até mesmo de chamar um médico cubano que porventura passe na área interna. "Acesso só com autorização do comando, através de ofício", reiterou um militar, ao recomendar procurar a assessoria de comunicação do Comando. "Mas só na terça-feira (10) porque não haverá expediente nesta segunda (9)", porque os militares vão folgar para compensar o trabalho no dia 7.

Com as médicas não é diferente. Elas estão no 14º Batalhão Logístico, no bairro de Afogados, e raramente deixam o local. "Às vezes, uma ou duas vão até uma lanchonete pertinho e retornam logo", informou um integrante da guarda.

Trancafiados nas dependências dos alojamentos, os cubanos têm alguns momentos de lazer no próprio curso, que é ministrado no município metropolitano de Vitória de Santo Antão, onde eles podem falar com a imprensa. Na sexta-feira (6), depois das atividades, eles assistiram a um grupo de frevo.

Mais conteúdo sobre:
Mais MédicoscubanosRecife

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.