No Rio, 3 estrangeiros e um brasileiro são presos por venda de doces com maconha

Um americano, dois colombianos e um brasileiro foram presos na madrugada deste sábado, 7, vendendo doces recheados com maconha em um bar na Lapa, no centro do Rio. O grupo foi detido durante patrulhamento de agentes da Operação Lapa Presente, na Avenida Mem de Sá.

MARIANA SALLOWICZ, Estadão Conteúdo

07 Fevereiro 2015 | 14h25

O governo do Estado informou que os agentes receberam denúncia de que as drogas estavam sendo vendidas. O americano Alberto Duarte, de 28 anos, os colombianos Nicole Bombiela, 21, e Wenry Maurício Vilamil, 35, e o brasileiro Matheus Silva, de 24 anos, foram presos acusados do crime de tráfico de drogas.

Eles teriam dito que pretendiam vender até 20 mil doces no período do carnaval. A ocorrência foi registrada na 5ª Delegacia de Polícia (DP), na Lapa.

Próximo ao local, na Rua da Carioca, Adailton Mendes da Silva, 30, foi preso em flagrante tentando roubar com uma faca a mochila de uma vítima. O acusado também foi conduzido para a 5ª DP, onde foi feito o registro de ocorrência pelo crime de roubo.

A Secretaria de Estado de Governo lançou a operação Lapa Presente em janeiro do ano passado. O objetivo é garantir a segurança dos moradores e frequentadores da região boêmia do Rio Antigo. Desde o início da ação, os agentes cumpriram 220 mandados de prisão - nove por homicídio, 96 por roubo, 51 por furto, 27 por tráfico de drogas e 37 por outros crimes.

Foram detidas 1.781 pessoas por porte de entorpecentes, sendo 1.697 por posse para consumo e 84 presas por tráfico de drogas. Também foram conduzidas à delegacia 27 pessoas por porte de arma branca, 14 por portar arma de fogo, 159 por roubo e furto e 470 por outros delitos. Foram aprendidos aproximadamente 8,5 kg de drogas (maconha, cocaína, crack e ecstasy).

Oito órgãos dos governos estadual e municipal atuam coordenados na ação: Secretaria de Estado de Governo, Polícia Militar, Guarda Municipal, secretarias municipais de Ordem Pública, de Assistência Social, de Conservação e de Transportes, além da Comlurb (empresa responsável pela coleta de lixo na cidade).

Mais conteúdo sobre:
drogasRioprisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.