No Rio, Blair debate Copa e Olimpíada e não comenta casamento

Ex-primeiro-ministro britânico não comentou casamento entre príncipe William e Kate Middleton.

Júlia Dias Carneiro, BBC

29 Abril 2011 | 13h57

Sem comentar o casamento real em Londres, o ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair afirmou nesta sexta-feira, durante visita ao Rio, que o esforço de organizar uma Olimpíada ajuda os governos a desenvolver novos mecanismos de administração pública.

"Se você faz isso com imaginação, pode aprender muitas coisas com uma Olimpíada", afirmou o ex-premiê durante debate sobre a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, no Fórum Econômico Mundial da América Latina, no Rio.

Como exemplo de novas matrizes de administração, ele cita as parcerias público-privadas desenvolvidas em Londres, que sediará os Jogos em 2012, e o modelo estabelecido com projeto de voluntários para os jogos. Além disso, segundo Blair, os megaeventos que o Brasil vai sediar podem alavancar a economia, atraindo negócios que vão além das competições em si. O britânico citou exemplos bem-sucedidos de cidades que sediaram os Jogos Olímpicos, como Los Angeles e Barcelona. De acordo com o ex-premiê, essas cidades aproveitaram os Jogos para renovar a economia e criar milhares de novos empregos de longo prazo, como será feito, segundo ele, também em Londres em 2012.

"Você pode criar uma nova plataforma econômica a partir da Olimpíada, porque é um evento enorme, que demanda muito foco e muita ação do governo", disse Blair, que também é enviado especial do Quarteto (Estados Unidos, ONU, Rússia e União Europeia) para a Paz no Oriente Médio.

Imagem

Ele também disse que eventos como a Copa e a Olimpíada podem ser usados para transformar a imagem das cidades e países. Segundo Blair, em Londres, o governo decidiu passar uma imagem diferente da cidade, apresentando-a como um espaço multicultural, com diferentes faces e raças. Ele lembrou, entretanto, que há exemplos de jogos que deram certo, e outros nem tanto. Enquanto uns deixam uma bela imagem das cidades-sede para o mundo, segundo Blair, os demais trazem efeitos negativos que perduram. "A análise que vem depois sobre o seu país é muito profunda e decisiva quando isso acontece", alertou. "Uma Olimpíada pode trazer muitos benefícios, mas você precisa acertar, e é possível errar." Blair disse ainda que o esporte deve ter espaço entre as principais políticas de governo dos países, pela abrangência dos benefícios que traz. "É uma ótima política de saúde, uma ótima política contra o crime, uma ótima política de responsabilidade social e comunitária", considera. O ex-primeiro-ministro, que ainda estava no governo quando Londres ganhou a candidatura para os Jogos de 2012, disse que a cidade recebeu investimentos em uma área "desolada", e que se beneficiará com obras, áreas de lazer, habitações e empregos permanentes. Blair diz acreditar que, mesmo com a crise econômica, os altos gastos envolvidos na organização de eventos esportivos são compensados pelos seus benefícios. "Mesmo nesses tempos econômicos mais duros, se me dessem a opção entre fazer ou não, é claro que eu faria de novo", afirmou.

Após o debate, o ex-primeiro-ministro evitou a imprensa e não quis comentar o fato de não ter sido convidado para o casamento real do príncipe William e Kate Middleton, na manhã desta sexta-feira, em Londres.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.