No Rio, Cardozo confirma campanha pelo desarmamento

No dia em que se completa uma semana do massacre na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na zona oeste do Rio de Janeiro, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, confirmou nesta manhã o início, no prazo mais breve possível, da campanha pelo desarmamento. No entanto, ele evitou se posicionar sobre a proposta do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), de novo plebiscito sobre o tema ainda este ano. "Essa é uma decisão para o Congresso Nacional. Não sou mais deputado, e não seria elegante falar sobre esse assunto."

LUCIANA NUNES LEAL, Agência Estado

14 de abril de 2011 | 13h05

Na próxima segunda-feira, o ministro terá uma reunião com organizações não governamentais (ONGs) e outras instituições para definir os detalhes da campanha que estimulará a entrega de armas ao poder público. Cardozo disse ter tido a informação de que as investigações do crime na escola apontam que o atirador Wellington Menezes de Oliveira "agiu sozinho", sem colaboração de cúmplices ou grupos.

De acordo com o ministro, o papel da Polícia Federal (PF) é de colaboração com a Polícia Civil do Rio de Janeiro. Cardozo foi ao Rio para um seminário sobre liberdade na Academia Brasileira de Filosofia e seguirá para São Paulo na tarde de hoje.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.