No Rio, MP indicia dez por morte em tentativa de aborto

Dez pessoas foram denunciadas nesta terça-feira, 18, pelo Ministério Público do Rio por envolvimento na morte de Jandyra Magdalena dos Santos Cruz, de 27 anos, que se submeteu a um aborto em uma clínica clandestina em Campo Grande (zona oeste do Rio), em 26 de agosto, e morreu durante o procedimento. Outras duas pessoas foram denunciadas por terem realizado aborto, como a Polícia Civil flagrou no dia em que descobriu e fechou a clínica.

FÁBIO GRELLET, Estadão Conteúdo

18 Novembro 2014 | 19h45

O ex-marido e uma amiga da vítima, que haviam sido indiciados pela Polícia Civil por suposta participação no crime, não foram alvo da denúncia da promotoria. Ele era acusado por ter transportado a ex-mulher em direção ao local onde faria o aborto e ela por ter dado a Jandyra o telefone da clínica.

A pena de cada denunciado na morte de Jandyra pode chegar a 48 anos. As dez pessoas vão responder pelos crimes de homicídio duplamente qualificado (mediante recompensa e com uso de recurso que tornou impossível a defesa da vítima), fraude processual (pela mutilação do corpo da vítima, para dificultar sua identificação), destruição e ocultação de cadáver (o corpo da vítima foi queimado e seus braços, pernas e dentes não foram localizados), formação de quadrilha e por provocar aborto com o consentimento da gestante (outros dois abortos foram realizados na clínica clandestina no dia 26 de agosto).

O corpo de Jandyra foi encontrado carbonizado, sem os dentes e com os membros inferiores e superiores mutilados, para que não fosse identificado. A denúncia foi encaminhada à 4ª Vara Criminal do Rio pelo promotor Bruno de Lima Stibich, da 27ª Promotoria de Investigação Penal.

Mais conteúdo sobre:
Rio morte mulher aborto indiciamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.