Nobel se desculpa por declarações sobre inteligência dos negros

James Watson, um dos descobridores da estrurura do DNA havia dito que negros são menos inteligentes

BBC Brasil, BBC

19 de outubro de 2007 | 06h50

O geneticista e prêmio Nobel de Medicina James Watson se desculpou "profundamente" pelas declarações feitas a um jornal britânico de que os negros seriam menos inteligentes do que os brancos. "Eu estou desolado pelo que aconteceu", disse Watson a um grupo de cientistas e jornalistas no lançamento de seu livro de memórias Avoiding Boring People (Evitando pessoas chatas, em tradução livre) nesta quinta-feira, em Londres. "Eu posso entender perfeitamente porque as pessoas, ao lerem essas palavras (no jornal) reagiram desta forma." "A todos aqueles que tiraram conclusões das minhas palavras de que a África, como um continente, é geneticamente inferior, eu só posso me desculpar profundamente. Não foi o que eu quis dizer. Do meu ponto de vista, não há base científica para essa crença."Em entrevista ao jornal The Sunday Times, o geneticista, de 79 anos, disse que estava "intrinsicamente pessimista sobre as possibilidades da África" porque "todas as nossas políticas são baseadas no fato de que a inteligência deles é a mesma que a nossa, quando todos os testes dizem que, na verdade, não é".Watson ainda disse que esperava que todas as pessoas fossem iguais, mas que "aqueles que têm de lidar com empregados negros não acham que isto seja verdade". As declarações provocaram reações e levaram o Museu de Ciências de Londres a cancelar uma palestra que o cientista daria nesta sexta-feira.James Watson, junto com o cientista britânico Francis Crick, ganhou o prêmio Nobel Medicina em 1962 por ter descoberto a estrutura do DNA. O geneticista já havia levantado outra polêmica no passado, ao dizer que uma mulher deveria ter o direito de abortar se testes pudessem confirmar que seu filho seria homossexual.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.