Noivo chega ao casamento de pára-quedas na Índia

Shishir Mishra é pára-quedista da Força Aérea e quer promover o salto na região

Sandeep Sahu, BBC

15 Julho 2008 | 05h42

Um indiano surpreendeu sua noiva ao chegar ao casamento de pára-quedas depois de saltar de um helicóptero a mais de 2 mil metros de altura, na cidade de Bhubanseswar, capital do estado de Orissa.   Shishir Mishra é um paraquedista da Força Área indiana e aterrissou em uma quadra de esportes localizada próxima à residência de sua noiva, Sweta Prusty, que o esperava com um buquê de flores. Segundo ele, ele decidiu inovar na chegada ao casamento não apenas para impressionar sua futura esposa, mas para promover e popularizar a prática do paraquedismo na região. "Eu já estava pensando em fazer uma demonstração de salto em Orissa há algum tempo. Mas a idéia de fazer alguma coisa para marcar meu casamento veio depois de ler sobre um casamento que foi realizado dentro de um balão em Maharashtra", disse o noivo. A atitude impressionou os convidados e a população em geral, já que na Índia, especialmente em áreas rurais, muitas pessoas nunca viram um pára-quedista. Salto Mishra pulou do helicóptero com outros três pára-quedistas e fez um salto livre antes de abrir o pára-quedas, a poucos metros do chão. Ao se aproximarem da cancha, uma multidão de mais de mil pessoas os receberam e Mishra cumprimentou a todos. "Eu não fiquei com medo em momento nenhum, sabia que ele iria fazer tudo certo, sem nenhum obstáculo", disse a noiva. O noivo conta que não sabia que sua futura esposa estaria no local da chegada para recebê-lo. "Foi uma supresa agradável", disse Mishra. Com mais de dez anos de carreira, ele é um dos principais paraquedistas da Índia e já realizou mais de 22 mil saltos.   Mishra, que nasceu no distrito de Nayagarh, em Orissa, entrou para o livro dos recordes depois de saltar de uma altura de 4,5 mil metros com a bandeira da Índia nas mãos. Ele também já treinou centenas de pára-quedistas da Aeronáutica, Marinha e Exército do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.