CNBB/Divulgação
CNBB/Divulgação

Nomeado para Rússia, núncio apostólico dom Giovanni se despede do Brasil

Arcebispo italiano exercia a nunciatura no Brasil desde 12 de fevereiro de 2012, após ser nomeado pelo então pontífice Bento XVI

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2020 | 14h07

SOROCABA – Com celebração de missa no Santuário Nacional de Aparecida, no interior de São Paulo, o núncio apostólico do Vaticano para o Brasil, dom Giovanni D’Aniello se despede, nesta quinta-feira (23), do país ao qual serviu durante os últimos oito anos. O arcebispo italiano vai assumir o mesmo posto em Moscou, em lugar de dom Celestino Migliore, que foi transferido para Paris. A data da viagem ainda não foi definida. O núncio apostólico é o representante da Santa Sé e tem status de embaixador. Dom Giovanni exerce a nunciatura no Brasil desde 12 de fevereiro de 2012, após ser nomeado pelo então pontífice Bento XVI.

 O presidente da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira de Azevedo, gravou vídeo agradecendo o trabalho de dom Giovanni. “Receba o nosso agradecimento e a certeza de nossa amizade e alegria, acompanhando-o nessa nova missão.” Conforme dom Walmor, o núncio sempre foi uma presença muito próxima às Igrejas particulares, visitando as dioceses para conhecer as diferentes realidades de perto. “Sempre esteve acompanhando de perto a trajetória da CNBB, participando de suas reuniões e da assembleia geral dos bispos do Brasil. Acompanhou a Igreja sem, contudo, deixar de exercer com esmero seu papel de diplomata junto aos governos brasileiros.”

Na federação russa, considerada uma representação diplomática de grande importância em uma potência mundial,  dom Giovanni terá a missão de estreitar as relações e o diálogo da Santa Sé com o governo russo e secular igreja ortodoxa daquele país. Conforme o cardeal dom Pietro Parolin, secretário de Estado do Vaticano, "a razão de ser de uma diplomacia da Santa Sé é a busca da paz", o que se coaduna com o espírito conciliador do novo núncio.

A celebração de despedida – missa de ação de graças pelos trabalhos realizados pelo arcebispo italiano no Brasil – será nesta quinta, às 9 horas, no altar central da basílica nova do Santuário, templo que guarda a imagem original da Padroeira do Brasil. Devido à pandemia do coronavírus, a celebração não contará com a presença de fiéis, mas será transmitida pela Rede Aparecida de Comunicação. Nesta quarta, dom Giovanni celebrou missa na basílica velha de Aparecida. Seu substituto no Brasil ainda será nomeado pelo papa Francisco.

Nascido em Aversa, na Itália, dom Giovanni tem 65 anos e foi ordenado sacerdote em 1978. Ele é doutor em direito canônico e ingressou no serviço diplomático da Santa Sé em 1983, tendo desempenhado atividades junto às representações pontifícias do Burundi, Tailândia, Líbano, Brasil e a seção para as Relações com os Estados, no Vaticano. Nomeado núncio apostólico do Congo em 2001, em 2010 foi transferido para a Tailândia e Camboja. Antes de vir para o Brasil como representante do papa e da Santa Sé, dom Giovanni foi delegado apostólico em Myanmar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.