Nos EUA, Goldman diz que vai permitir visitas da avó materna de S.

Pai e filho devem ficar mais alguns dias em Orlando, antes de seguir para New Jersey, em data não definida

Gustavo Chacra, O Estadao de S.Paulo

25 Dezembro 2009 | 00h00

O menino S. Goldman, que retornou aos Estados Unidos anteontem com o pai, sorria e até fazia caretas na viagem de volta, em imagens exibidas pela rede de TV NBC. O pai, David Goldman, em entrevista para o canal que fretou o voo, estava satisfeito com o resultado e também se dizia preparado para o desafio de educar o filho. Os dois estão em Orlando e deviam passar o Natal na Disney, distantes da imprensa.

 

Estados Unidos pedem a volta de 28 crianças

De acordo com a NBC, David Goldman afirmou que permitirá as visitas da avó materna de S., Silvana Bianchi. A rede de TV afirmou ainda que pai e filho devem permanecer alguns dias em Orlando, antes de retornarem para New Jersey, em data ainda não definida.

Segundo o repórter da NBC, que acompanhou pai e filho no avião, S. inicialmente se mostrou um pouco reservado. Ao longo do voo, porém, começou a se soltar e "chegou até a brincar de guerra de comida com o pai". Em nenhum momento o menino brasileiro aparece falando. A rede de TV apenas exibiu imagens congeladas dele. Em uma delas, S. está sorridente, de óculos escuros, ao lado do pai. Ele também aparece brincando de fazer careta com David. Na terceira cena, o menino dorme com um casaco preto.

"Estamos aqui nos céus. É um milagre de Natal", diz o pai. Indagado pelo repórter como será para o menino lidar com a transição da vida brasileira para a americana, David Goldman responde: "Ele tem uma família e um pai que vão até o fim do mundo para demonstrar o nosso amor." Mais adiante, o repórter diz que S. está dormindo. Em tom de brincadeira, David diz esperar que "ele não durma a viagem inteira e fique acordado à noite, porque está exausto."

ÉTICA

A atitude da NBC de pagar o voo para trazer S. e David Goldman para os EUA tem sido questionada como antiética. O canal de TV conta com uma exclusividade na história por pagar as contas do pai do menino, que não concedeu entrevistas para outros canais americanos depois de retornar. Goldman, para ter renda, aluga um barco e trabalha como corretor de imóveis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.