'Nosso problema não é o Judiciário, mas o Legislativo', diz Gustavo Loyola

'Nosso problema não é o Judiciário, mas o Legislativo', diz Gustavo Loyola

Ex-presidente do Banco Central afirma que juízes têm ocupado 'vácuo' ao tomarem decisões sobre políticas públicas que deveriam ser feitas pelo Congresso

Francisco Carlos de Assis, Thaís Barcellos e Valmar Hupsel, O Estado de S.Paulo

06 Março 2017 | 12h51

O ex-presidente do Banco Central e sócio da Tendências Consultoria Integrada, Gustavo Loyola, considerou que o protagonismo atual do Judiciário se deve à má qualidade do Legislativo, em debate sobre equilíbrio entre Poderes realizado pelo Fóruns Estadão, nesta segunda-feira, 6.  "Os juízes estão ocupando um vácuo no processo legislativo. Nosso problema não é o Judiciário, mas o Legislativo, que é muito ruim. O Judiciário passou a decidir por políticas públicas, o que deveria cair sobre o Legislativo e Executivo."

Loyola manifestou, contudo, preocupação com as consequências dessa judicialização para as contas públicas. "Eu me preocupo com a crise estrutural das contas públicas. Como o Judiciário vai conciliar a prestação de serviços sociais e a restrição orçamentária? ", questiona. "É o Judiciário de fato que tem que limitar esses direitos sociais", conclui.

Sobre os desdobramentos econômicos, Loyola afirmou que, no curto e médio prazos, a imprevisibilidade das políticas públicas, que inevitavelmente passarão pelo crivo da Justiça, prejudica os investimentos e o crescimento da economia. Já, no longo prazo, o "apequenamento da política" ameaça a própria democracia, segundo ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.