Notas

Notas

EVOLUÇÃO

, O Estadao de S.Paulo

26 de março de 2010 | 00h00

Biólogo é premiado por contribuição à religião

O cientista espanhol Francisco José Ayala ganhou ontem o Premio Templeton, dado àqueles que contribuem para a compreensão das religiões. O biólogo dedicou a vida ao estudo da evolução e sempre se opôs ao antagonismo entre evolucionismo e criacionismo. Ayala disse que dará o prêmio de quase R$ 3 milhões para a caridade.

ARQUEOLOGIA

Tiranossauro pode ter habitado Hemisfério Sul

A descoberta na Austrália de um osso de quadril de 30 centímetros é a primeira evidência de que ancestrais do gigantesco dinossauro Tiranossauro Rex viveram no Hemisfério Sul, revela estudo da Science. O fóssil é de um animal menor, mas ajuda a entender como a espécie evoluiu. Segundo Roger Benson, do Departamento de Ciências da Terra da Universidade de Cambridge, o osso é certamente identificável como o de um tiranossauro porque esse tipo de dinossauro tem ossos do quadril que são únicos. "É uma descoberta importante, pois os fósseis de tiranossauros só haviam sido encontrados no Hemisfério Norte. Alguns cientistas pensavam que não tinham chegado até o Sul." / AP

TABAGISMO

Fabricantes de cigarro perdem mais uma ação

Um júri da Flórida, nos Estados Unidos, condenou as empresas R.J. Reynolds e Philip Morris a pagarem indenização de US$ 26,6 milhões à viúva de um fumante morto por câncer no pulmão, em mais um veredicto contra fabricantes de cigarros. A Philip Morris disse que vai recorrer. A R.J. Reynolds não se pronunciou. / REUTERS

PESQUISA

Quem sorri vive mais, afirmam cientistas

Sorrir prolonga a vida e se o sorriso é tão intenso que causa pés-de-galinha tanto melhor, concluíram cientistas americanos na revista Psychological Science.

Eles analisaram fotos de jogadores de beisebol de 1952. Entre os jogadores que já haviam morrido até 2009, os da categoria "sem sorriso" tinham vivido em média 72,9 anos. Os com "sorriso parcial" morreram aos 75 anos e os com "sorriso pleno" viveram em média 79,9 anos. Eles avaliaram e excluíram outros fatores que poderiam influenciar na longevidade. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.