Nova base do País na Antártida será projetada por civis

Cientistas darão as especificações técnicas para a nova construção; a que pegou fogo seguiu padrão de alojamento

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

02 Março 2012 | 03h02

A próxima base brasileira na Antártida será desenhada por civis e não mais construída como se fosse uma instalação militar.

Em reunião ontem entre dez pesquisadores associados ao Programa Antártico Brasileiro e o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp, ficou decidido que um grupo de cientistas definirá as especificações técnicas que embasarão o novo projeto arquitetônico para a futura Estação Ferraz, "levando em conta o estado da arte de construções polares modernas e obedecendo aos princípios de sustentabilidade e de energia limpa vigentes."

A base atual, que pegou fogo, foi erguida pela Marinha e seguiu o padrão de alojamentos militares, que depois acondicionaram equipamentos de pesquisas.

Segundo o MCT, o propósito do encontro foi fazer um balanço das pesquisas antárticas e avaliar o que tem de ser feito para garantir a continuidade dos projetos. Os cientistas relataram, em balanço preliminar, que estão preservados e sem risco de descontinuidade 60% dos projetos.

O grupo também discutiu a retomada imediata das pesquisas. Segundo o ministério, será feito um levantamento da capacidade de se manter operacionais os projetos realizados nas proximidades da estação, colocando em funcionamento os módulos que foram preservados do acidente.

Um inventário dos equipamentos perdidos no incêndio também será realizado, para que seja efetuada uma rápida reposição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.