Imagem Luiz Horta
Colunista
Luiz Horta
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Nova importadora retrata a Espanha com garrafas

Entusiasmo pela uva Tempranillo decidiu a escolha

Luiz Horta,

24 de setembro de 2009 | 10h15

A positiva onda de pequenas importadoras com um foco muito definido se amplia. Sem pretensão de fazer frente às grandes empresas e seus catálogos imbatíveis, os "cavistes voadores" já tinham chegado com a Tire-Bouchon, a Delacroix e a Cave Jado. Agora aparece a CultVinho, especializada em vinhos espanhóis. A ideia é achar um nicho. A característica principal dessas empresas é o contato muito direto com os produtores que representam. No caso da CultVinho, apenas vinícolas familiares de quase todas as regiões espanholas. Por enquanto, Rioja Alavesa, Ribera del Duero, Priorato e Cava. Até o final do ano entrarão os vinhos galegos, das denominações Rias Baixas e Ribeiro. E um moscatel de Málaga. E ano que vem prometem um vinho de Jerez e novos rótulos das regiões já representadas. O catálogo é bem feito e detalhado. Os tops, pelo menos em termos de fama, são os polêmicos e bem cuidados vinhos de Remirez de Ganuza. O produtor Fernando Remirez de Ganuza, um empresário navarro que se apaixonou pela vinicultura, é um obsessivo. Visitado pelo Paladar chegou a exasperar o repórter com seu detalhismo. Praticamente dono da minúscula e linda cidade de Samaniego, Ganuza inventou um sistema de maceração carbônica evitando o gás e inflando um balão. Para seu vinho top, o Trasnocho, que virou cult na Espanha (tanto pelas notas altas dadas pelos críticos quanto pelo preço, aqui R$ 780), a colheita é feita em duas etapas e descartada cerca de metade de cada cacho, em busca da uva madura perfeita. Dos vinhos provados, agradaram o amável Rioja Crianza 2005, de Luís Alegre (R$ 80), com boa tipicidade e respeito às características da famosa região; e o Casado Morales 2007 (R$ 65), um dos raros vinhos feitos 100% com a complicada. uva Graciano. O porquê da exclusividade espanhola? Os donos, o casal Armando Gaspar e Sandra Magrini, sem história alguma de comércio de vinhos, tem a uva Tempranillo como favorita e começaram por essa paixão o negócio. L.H.CultVinho: vendas pelo site www.cultvinho.com ou pelo fone 5051-3650

Tudo o que sabemos sobre:
Paladarvinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.