Nova Marginal do Tietê reduz lentidão em 44%, diz CET

As novas pistas da Marginal do Tietê completam amanhã um mês de operação e, pelo menos por enquanto, contrariam as previsões mais pessimistas, que apontavam que os benefícios seriam perdidos nesse período. Balanço da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) - que será divulgado nesta semana - aponta que a via teve redução de 44% na lentidão. Por outro lado, aumentou o número de carros na Marginal, possível indicativo de saturação no futuro.

AE, Agência Estado

26 Abril 2010 | 08h03

As pistas centrais da Marginal foram inauguradas em um sábado, dia 27 de março. Os efeitos no trânsito da capital paulista, no entanto, não podem ser atribuídos exclusivamente a elas, uma vez que o Trecho Sul do Rodoanel ficou disponível menos de uma semana depois.

O conjunto das duas obras - que totalizaram quase R$ 7 bilhões - aponta redução de 28% nos congestionamentos de toda a cidade, segundo dados da CET. Na Avenida dos Bandeirantes e Marginal do Pinheiros - áreas que sofreram mais influência com o Rodoanel - a redução foi respectivamente de 36% e 22% no período.

Carros

A redução nos congestionamentos fez muitos motoristas passarem a usar a Marginal do Tietê. Medição da CET aponta que houve um aumento de 30 mil carros por dia na via - crescimento que varia diariamente entre 10% e 11% em relação ao período antes da inauguração das duas obras. A estimativa divulgada inicialmente era de acréscimo de 35 mil veículos - automóveis, caminhões e ônibus.

Apesar do crescimento no movimento de veículos, um dos motivos para menos congestionamento foi a redução de caminhões na Marginal do Tietê, segundo estimativa da CET. Esse conjunto de situações proporcionou também uma melhora de 25% na velocidade média na via durante o horário de pico. O aumento, no entanto, foi menor do que o registrado nas vias mais afetadas pela Rodoanel. Na Avenida dos Bandeirantes, a velocidade média aumentou 37% e na Marginal do Pinheiros, 40%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.