Novas táticas para a nova era

Novas táticas para a nova era

Para popularizar ciência, centro abre instalações e aposta em treinamento de mídia para pesquisadores

, O Estadao de S.Paulo

31 de março de 2010 | 00h00

A era que se abre não é apenas a de uma nova Física, mas também a da "ciência pop". Durante o experimento, jornalistas de todo o mundo desembarcaram no interior da França e na fronteira com a Suíça e tiveram acesso a quase tudo o que ocorria nas salas de controle.

A orientação do diretor do Cern, Rolf Heuer, foi usar a ocasião para tentar popularizar a ciência. "Queremos que as pessoas passem a falar de ciência com naturalidade, quase como se falassem de futebol", afirmou o diretor de comunicações da entidade, James Gilles.

Para isso, a entidade não economizou tempo nem recursos para tornar sua invenção popular. Além do circo midiático, o Cern disparou SMS e mensagens no Twitter assim que a experiência se mostrou exitosa. Os cientistas, nem sempre acostumados às câmeras, receberam treinamento. O Cern ainda mobilizou um cientista de cada país para que explicasse, em sua língua materna, o que a nova invenção significava, e dois professores de Física para que traduzissem a mesma informação para os livros escolares.

"Nosso objetivo é voltar a gerar o interesse de crianças pela ciência. Por isso, escolas não podem mais ensinar apenas o que ocorria há 200 anos. Temos de mostrar a nova ciência", afirmou o físico sueco Erik Johanson, um dos encarregados pela cartilha. Na Europa, diz ele, o déficit de engenheiros já é preocupante.

Evento de gala. Ontem, muitos dos cientistas apareceram para o evento vestindo ternos, para a surpresa dos demais. "Nossa, que elegância", exclamou a italiana Fabiola Gianotti, representante do projeto Atlas. "O dia de hoje merece. Temos de mostrar uma imagem nova", respondeu outro físico. / J.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.