Novo estágio cobra maturidade que muitos não têm

Análise: Nívea Fabrico

PSICÓLOGA, PSICOPEDAGOGA, O Estado de S.Paulo

14 Maio 2012 | 03h02

A cultura do ensino no Brasil convive com degraus de passagens de níveis. O ensino fundamental é mais protetor com os estudantes e o médio já espera uma maturidade maior, que eles nem sempre têm. Isso geralmente contribui para as dificuldades na entrada dessa fase.

A geração atual de adolescentes é muito mais culta no geral do que a de décadas passadas. Mas também bem mais imatura, talvez como consequência do nosso modelo social. É um paradoxo: por um lado, são jovens extremamente cultos, que discutem de igual para igual com adultos em vários assuntos, e, por outro, têm necessidade de um guia. Algo que o ensino médio nem sempre oferece.

São jovens acostumados a serem mais protegidos e que se assustam muito com a mudança estrutural de um nível para outro. Na sala de aula, tornam-se mais inquietos, brincalhões e desatentos. E ainda se acham mais independentes do que a idade permite, com a pretensão de saber todas as questões.

Há muitos estudantes nessa fase que são excelentes, mas acabam tendo dificuldades em contato com sistemas de ensino mais tradicionais. Muitas vezes, necessitam do cuidado que somente escolas mais intimistas podem proporcionar.

Às vezes, a retenção amadurece o jovem e contribui para que ele possa acompanhar melhor a escola. Contribui para que a subida do degrau seja mais suave. No entanto, depende muito de como os pais e as famílias encaram esse momento e manejam a situação. A formação passa pela família e é importante que o adolescente perceba o respeito mútuo e a seriedade que precisa assumir.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.