Novo governo encerra década de regime conservador na Dinamarca

A social-democrata Helle Thorning-Schmidt, primeira mulher a ocupar o cargo de primeira-ministra na Dinamarca, empossou nesta segunda-feira uma coalizão de três partidos com 23 ministros, encerrando uma década de governos de centro-direita.

REUTERS

03 de outubro de 2011 | 10h28

O "bloco vermelho" que venceu a eleição parlamentar de duas semanas atrás inclui o Partido Popular Socialista e o Partido Social Liberal.

O ministério é formado por políticos relativamente jovens, dos quais só dois têm experiência no comando das pastas -- Margrethe Vestager, ministra de Economia e Interior, e Henrik Dam Kristensen, dos Transportes.

"É muito especial que agora, após dez anos na oposição, tenhamos formado um novo governo. Estou muito orgulhosa", disse Thorning-Schmidt ao canal TV2 News. "Será ótimo ter novos olhos sobre tudo, e será bom estabelecer uma nova direção para a Dinamarca."

Seu ministro de Finanças será Bjarne Corydon, de 38 anos, recém-eleito deputado e pouco conhecido da opinião pública. A chancelaria ficará a cargo de Villy Sovndal, líder do Partido Popular Socialista.

Os social-democratas ocuparão 11 ministérios. Os dois sócios minoritários ficarão com seis pastas cada.

A nova coalizão ainda precisará do apoio da Aliança Vermelha e Verde, de extrema esquerda, para garantir a maioria parlamentar. A aliança teve um grande crescimento eleitoral, mas não foi incluída na coalizão.

(Reportagem de John Acher, Mette Fraende)

Mais conteúdo sobre:
DINAMARCAGOVERNONOVO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.