Novo júri do caso Dorothy Stang deve terminar nesta terça

Na segunda-feira, acusado de matar a missionária americana se contradisse em seu depoimento

AE, Agencia Estado

06 de maio de 2008 | 13h06

Recomeçou nesta terça-feira, 6,  o julgamento do fazendeiro Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, e de Rayfran das Neves Sales, na 2ª Vara do Júri, em Belém (PA), acusados de serem, respectivamente, o mandante do crime e o executor da missionária norte-americana Dorothy Stang , morta a tiros na zona rural de Anapu em 12 de fevereiro de 2005. Esse é o segundo dia do novo júri, que teve início ontem e deve se encerrar nesta terça.   Veja Também:    Acusado de assassinar Dorothy Stang se contradiz ao deporMoura e Sales são acusados de homicídio qualificado, com recurso que impossibilitou a defesa da vítima e mediante promessa de recompensa. Este é o segundo julgamento do fazendeiro, já condenado a 30 anos de prisão, e o terceiro de Sales, condenado a 27 anos. Como a sentença foi superior a 20 anos, ambos tiveram direito a novo júri.   Na segunda-feira, Sales disse , que a arma que usou para matar a missionária não pertencia ao suposto mandante do crime, como havia dito em depoimento anterior.

Mais conteúdo sobre:
Dorothy Stang

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.