Novo oceano pode estar se formando na África

A maior fenda da crosta terrestre vista em décadas, ou talvez em séculos, pode ser o início de um novo oceano, de acordo com dados recolhidos por satélite. Geólogos dizem que a fenda de 60 km, aberta no ano passado, pode chegar a atingir o Mar Vermelho, isolando grande parte da Etiópia e Eritréia do resto da África.Ela foi aberta por um terremoto em setembro e, segundo observações de cientistas publicadas na revista Nature, estaria crescendo com uma velocidade sem precedentes.A fenda reflete movimentos subterrâneos, onde a placa tectônica que sustenta a África se distancia gradualmente da placa Arábica, obrigando a crosta a se abrir.À medida em que a fenda cresce, rochas derretidas são empurradas para a superfície, se solidificando e formando o piso de um eventual novo oceano.Os cientistas calcularam que 2,5 km cúbicos de lava afloraram da fenda aberta na crosta terrestre, volume suficiente para encher um estádio de futebol de grande porte pelo menos duas mil vezes.Tim Wright, da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, diz que, se o movimento continuar, a região conhecida como o Chifre da África vai se separar do resto do continente em cerca de um milhão de anos. Ele afirma que, neste caso, a fenda "vai alcançar o Mar Vermelho e o oceano vai jorrar por ela". Primeira vez Wright integra uma equipe da Grã-Bretanha e Etiópia que vem monitorando a criação da nova bacia oceânica, um evento raro em terra firme. Eles utilizam instrumentos sísmicos de ponta, medidores de campo e imagens de satélite da Agência Espacial Européia, Envisat, para a pesquisa."Obtivemos um mapa bastante preciso", diz ele. "É a maior fenda que se abre desde os anos 1970 e, talvez, em centenas de anos. E esta é a primeira vez que podemos usar imagens de satélite para investigar o processo fundamental no momento em que ele acontece."Os movimentos nas placas terrestres vêm acontecendo gradualmente nos últimos dois milhões de anos, mas de tempos em tempos, terremotos e erupções vulcânicas causam rupturas repentinas.

Agencia Estado,

20 de julho de 2006 | 15h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.