Tony Gentile/Reuters
Tony Gentile/Reuters

Novo papa escolhe nome de Francisco

O nome mais repetido foi João, o último que o usou foi o italiano Angelo Roncalli, ou João XXIII

Efe,

13 de março de 2013 | 17h35

Cidade do Vaticano - "Quo nomine vis vocari?" ("Com qual nome queres ser chamado?"), foi a pergunta feita nesta quarta-feira pelo cardeal Giovanni Battista Re ao novo papa, o cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio, em nome de todos os que o elegeram.

O novo pontífice respondeu "vocabor Franciscus" (Me chamarei Francisco). Com isso, o cardeal protodiácono, o francês Jean-Louis Tauran, anunciou à cidade de Roma e ao mundo que o novo pontífice é o primeiro latino-americano a chegar ao trono de São Pedro e o primeiro que adota esse nome, além de também ser o primeiro jesuíta.

O nome adotado pelo sucessor de Bento XVI não só significa uma preferência, também pode ser uma "indicação" de como será seu pontificado.

O alemão Joseph Ratzinger optou pelo nome Bento XVI em homenagem a Bento XV, "um valente e autêntico profeta da paz perante o drama da primeira mundial", segundo confessou em 27 de abril de 2005, uma semana após ser eleito sucessor de João Paulo II.

"Quis, ao ser eleito Bispo de Roma e Pastor Universal da Igreja, chamar-me Bento XVI para me unir ideologicamente ao venerado pontífice Bento XV, que guiou a Igreja em um período difícil por causa do primeiro conflito mundial", disse.

O agora papa emérito acrescentou que Bento XV "foi valente e autêntico profeta de paz e trabalhou com grande coragem para evitar o drama da guerra e depois para limitar suas nefastas consequências".

Albino Luciani, que só governou a Igreja durante 33 dias, escolheu se chamar João Paulo I em homenagem a seus antecessores João XXIII e Paulo VI, a quem admirava.

Karol Wojtyla adotou os dois nomes - a segunda vez que um papa adotava um nome duplo - em homenagem a João Paulo I, a João XXIII e a Paulo VI.

Ao longo da história da Igreja, os papas nem sempre mudaram de nome. Até o ano 532, todos os sucessores de São Pedro usaram seus nomes de batismo, e assim nos encontramos com São Lino, São Anacleto, São Evaristo, São Alexandre, São Telesforo ou São Higino.

Além do nome, se sabia de onde procediam (Lino de Tuscia, Anacleto romano, Evaristo o grego, Telesforo o grego, Higino o grego, entre outros).

Mas no dia 31 de dezembro do ano 532 foi eleito papa Mercúrio, o romano. Mercúrio era nome pagão, por isso o novo pontífice mudou de nome e se chamou João II, em homenagem a seu antecessor João I, um mártir de Tuscia (região ao norte de Roma) que reinou na Igreja de 13 de agosto de 523 a 18 de maio de 526.

João II foi papa até 8 de maio de 535 e, a partir desse momento, muitos de seus sucessores o imitaram e começaram a mudar o nome de batismo pelo de apóstolos, mártires ou outros papas.

Até agora, o nome mais repetido foi João. O último que o usou foi o cardeal italiano Angelo Roncalli, que decidiu se chamar João XXIII (1958-1963).

Quando Roncalli, que foi beatificado por João Paulo II, escolheu o nome de João, os cardeais o lembraram que seria João XXIII, como um "anti-papa", ao que ele respondeu que não tinha medo de ser confundido com um usurpador da cátedra de São Pedro.

"Me chamarei João, um nome doce e ao mesmo tempo solene", disse o chamado papa Bom, cujo curto pontificado foi muito prolífico. Escreveu oito encíclicas, entre as quais se destacaram "Mater et Magistra" e "Pacem in Terris", e convocou o importantíssimo Concílio Vaticano II.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.