Novo poço reforça potencial de Tupi, diz Petrobras

A perfuração de um novo poço em Tupi reforça as estimativas do potencial de 5 a 8 bilhões de barris de óleo equivalente (boe) recuperáveis, nos reservatórios do pré-sal da área, em águas ultraprofundas na bacia de Santos, informou a Petrobras em um comunicado nesta quinta-feira.

REUTERS

04 Junho 2009 | 19h43

"A uma distância de 33 km a noroeste do poço pioneiro 1-RJS-628, o novo poço, denominado 4-BRSA-711-RJS, confirmou a presença de reservatórios de boa qualidade e a presença de óleo semelhante ao poço pioneiro de Tupi, o que reforça as estimativas iniciais para a área", afirmou a nota.

O petróleo no bloco de Tupi configurou-se, após anúncio em novembro de 2007, na primeira e maior descoberta da Petrobras no pré-sal. O volume corresponde a cerca de metade das reservas atuais do Brasil, de 14 bilhões de boe.

As atividades de perfuração ainda prosseguem no poço, "em busca de objetivos mais profundos".

Segundo a estatal, "informalmente conhecido como Iracema, este terceiro poço está localizado na área do Plano de Avaliação de Tupi, em lâmina d'água de 2.210 metros, e a cerca de 250 km da costa do Rio de Janeiro".

A descoberta foi comprovada por meio de amostragens de petróleo leve (cerca de 30 graus API) por teste de cabo, em reservatórios localizados em profundidade de cerca de 5 mil metros.

Após a conclusão da perfuração do poço, o consórcio liderado pela Petrobras, com 65 por cento de participação no bloco BM-S-11, onde fica a área de Tupi, dará continuidade às atividades, perfurando outros poços, de acordo com a empresa.

O bloco BM-S-11 é operado ainda por BG Group e Galp, com participações de 25 e 10 por cento respectivamente.

A Petrobras já realiza em Tupi um Teste de Longa Duração, extraindo diariamente cerca de 15 mil barris/dia.

A estatal prevê produzir 100 mil barris diários de petróleo em Tupi no Plano Piloto, que será iniciado em 2010.

(Por Roberto Samora)

Mais conteúdo sobre:
ENERGIAPETROBRASATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.