Novo tratamento da AIDS será de apenas uma pílula por dia

O primeiro tratamento completo para AIDS em apenas uma pílula e que deverá ser tomada apenas uma vez por dia deve chegar ao mercado em breve, segundo informou o jornal americano The New York Times.A pílula, que combina três drogas feitas por duas companhias, será uma revolução no tratamento da doença por sua simplicidade, pois irá facilitar a vida das pessoas que necessitam de medicamentos regulares para tratar do vírus.Apenas uma década atrás, quando o coquetel de drogas para AIDS começou a ser usado, os pacientes tinham que tomar cerca de 36 pílulas por dia, algumas com comida, outras não, e outras durante o meio da noite. O tratamento utilizado hoje já estava em duas pílulas por dia.Segundo o NYT, a nova droga é uma combinação de remédios que já estão no mercado - Sustiva, fabricado pela Bristol-Myers Squibb, e Truvada, fabricado pela Gilead Sciences. Truvada é uma combinação de duas drogas da Gilead - Viread e Emtriva. Espera-se que a Administração de Drogas e Alimentos dos Estados Unidos aprove a nova droga ainda nesta semana.As companhias não revelaram o nome do novo medicamento ou o preço, mas sugeriram que irá custar o mesmo que o Sustiva e o Truvada separadamente, o que é cerca de US$1.200 por mês.A nova pílula terá a cor rosada e pesará 1.500 miligramas. Terá o tamanho de uma comprimido grande de vitamina e algumas pessoas poderão ter dificuldade para engoli-la.Três em umAinda segundo o periódico, já existem pílulas para a AIDS que combinam três drogas. Uma, fabricada por uma companhia indiana, foi aprovada recentemente pela Administração de Drogas e Alimentos para ser utilizada em países em desenvolvimento. Mas as pílulas com três drogas já existentes geralmente contêm drogas antigas e devem ser tomadas duas vezes por dia.Uma pílula única é especialmente importante para países pobres, onde os pacientes têm menos acesso a tratamentos médicos. A grande maioria das 40 milhões de pessoas infectadas pelo vírus HIV, que causa a AIDS, estão em países em desenvolvimento.Bristol-Myers e Gilead disseram que irão fabricar a nova pílula a preços reduzidos para nações em desenvolvimento, mas não deram mais detalhes. ParceriaNenhuma companhia controla todas as drogas necessárias para produzir uma combinação efetiva para pílula. É raro indústrias rivais colaborarem entre si como foi feito desta vez.As negociações começaram, segundo o jornal americano, quando a Administração de Drogas e Alimentos chamou a Bristol-Myers, a Gilead e a Merck para uma reunião em Washington, em abril de 2004, numa tentativa do governo americano de encorajar a indústria farmacêutica a desenvolver remédios como parte de um plano para promover tratamento do vírus em países pobres. No mês seguinte, as companhias anunciaram o plano.TestesAs indústrias levaram cerca de um ano para produzir a fórmula da nova pílula. Gilead testou cinco fórmulas diferentes em voluntários, segundo informou o NYT.Os testes fracassados em pacientes é um grande problema, porque permite que o vírus desenvolva resistência às drogas.Ainda não está claro o quanto melhor será para as pessoas portadoras do vírus HIV terem um tratamento de uma pílula por dia, comparado com o tratamento utilizado hoje de duas pílulas diárias.

Agencia Estado,

08 de julho de 2006 | 15h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.