Novos tremores são registrados Sobral nesta quinta

Segundo departamento de Sismologia da UFRN, já passam de 900 abalos sentidos na região

Carmen Pompeu, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2008 | 16h56

A cidade cearense de Sobral, a 230 quilômetros de Fortaleza, registrou novos tremores nesta quinta-feira, 22, mas de menor intensidade. Já passa de 900 o número de abalos ocorridos este ano na cidade, segundo informou o técnico em sismologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Eduardo Meneses.   Os abalos começaram a ser sentidos no dia 28 de janeiro deste ano. Os mais fortes - de 4,3 e 3,9 na escala Richter - aconteceram na quarta-feira, 21, por volta das 16h30, quase simultaneamente, chegando a ser sentidos em alguns bairros de Fortaleza, com intensidade de 2 graus.   A população do Distrito de Jordão, que fica no alto de uma serra, local do epicentro dos tremores, tem sido orientada a se acostumar com o fenômeno, que, segundo os especialistas, vai continuar ocorrendo e, podendo inclusive a atingir uma maior magnitude.   Para o doutor em Geofísica e professor do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB), George França, mesmo que seja pequena, existe a possibilidade de que um terremoto de até 5,5 graus venha a ocorrer na região. Eduardo Meneses, da UFRN, avisa que o fenômeno pode durar meses ou até anos.   A cada estrondo mais forte, as pessoas correm para as ruas assustadas. Muitas são as teorias populares para a origem dos tremores. Muitos acreditam que sejam "sinais do final dos tempos". Circulou por Sobral inclusive a informação de que poderiam ser reações às explosões feitas por uma unidade da Votorantim Cimentos instalada na cidade. A empresa, através de uma nota, negou.   A nota informa que a mina da unidade opera a céu aberto e que as detonações - realizadas somente na superfície da rocha - são "estritamente controladas". "A quantidade de explosivos utilizada não é suficiente para gerar tremores de terra", garante a empresa. A Votorantim também explicou que não realiza detonações subterrâneas, e que toadas as normas de segurança exigidas pela legislação são adotadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.