Nudez e sexo online podem dar dor de cabeça

Adolescentes australianos que enviam fotos insinuantes ou em que aparecem nus via SMS já estão avisados. Cuidado - diz campanha da província de New South Whales - "sexting" pode ser prejudicial para seu futuro. O governo da província onde fica Camberra, capital do país, lançou uma campanha educativa para combater a prática de "sexting" - trocadilho, em inglês, com "texting", termo que equivale a "enviar mensagens de texto". Segundo os criadores da campanha, as imagens podem acabar divulgadas na internet ou encaminhadas para muitas outras pessoas, levando ao assédio da vítima. As fotografias podem, inclusive, ser classificadas pela lei como pornografia infantil. "Jovens raramente medem as consequências de seus atos. Eles pensam em piadas ou em flertes, que podem se tornar bastante prejudiciais a eles mesmos se caírem nas mãos erradas", diz Linda Burney, secretária de Serviços à Comunidade de New South Whales, órgão à frente da campanha. "É assustador pensar que uma vez que essas fotografias caiam na rede ou sejam encaminhadas para celulares alheios, qualquer pessoa em qualquer lugar do mundo pode acessá-las. A partir daí, é impossível apagá-las ou deter a sua divulgação. Elas estão ali para sempre e podem danificar o futuro da pessoa", alerta Burney. Na Austrália, o governo de New South Whales registrou casos de meninas de 13 anos que, depois de enviar mensagens provocantes via celular para seus namorados, viram sua intimidade exposta na internet. SEM ROUPA NA REDE Nos EUA, em pesquisa no fim de 2008, um em cada cinco adolescentes disse que enviou por SMS ou postou na rede fotos em que estão nus ou seminus. A atriz adolescente Vanessa Hudgens, de High School Musical, passou pelo constrangimento de ver caírem na rede fotos em que ela aparece seminua - que haviam sido enviadas para seu namorado, o ator Zac Efron, também adolescente. Entre as recomendações para evitar a situação, a campanha australiana sugere que pais chequem o uso que seus filhos fazem de redes sociais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.