Número de assassinatos cresce 15% no Estado de SP

O número de homicídios dolosos no Estado de São Paulo aumentou 15,06% no primeiro bimestre de 2013, em comparação com os mesmos meses do ano passado. Segundo as estatísticas da criminalidade divulgadas, nesta segunda-feira, pela Secretaria da Segurança Pública do Estado, foram registradas 787 mortes intencionais em janeiro e fevereiro. Em igual período de 2012, foram 684 ocorrências.

RICARDO CARVALHO, Agência Estado

25 de março de 2013 | 09h57

A taxa de homicídio por 100 mil habitantes, calculada com base no último ano (março de 2012 a fevereiro de 2013), ficou em 11,67.

Do total registrado no bimestre, foram 416 homicídios dolosos em janeiro e 371 em fevereiro. Esses números eram, nos mesmos meses do ano passado, 356 e 328, respectivamente.

Os dados da Secretaria de Segurança Pública também revelam queda em alguns crimes contra o patrimônio em São Paulo. Houve, por exemplo, redução de 11,43% em roubos a banco no bimestre. Enquanto foram contabilizados 35 boletins de ocorrências para o crime em janeiro e fevereiro de 2012, a Secretaria de Segurança Pública registrou 31 ocorrências no primeiro bimestre deste ano.

Na análise dos últimos 12 meses, a queda do número de roubos a banco foi de 11,38% - de 246 ocorrências entre março de 2011 e fevereiro de 2012 para 218 entre março de 2012 e fevereiro de 2013.

Cargas

Na modalidade roubos de carga, houve redução menos acentuada dos índices. Foram 36 casos a menos (-3,03%), na comparação entre janeiro e fevereiro deste ano (1.154 ocorrências) e igual período de 2012 (1.190 casos).

Já na modalidade roubo de veículo houve aumento das ocorrências no bimestre. Foram 14.627 casos nos dois primeiros meses de 2013, versus 13.546 em igual período do ano passado - um acréscimo de 7,4% no bimestre. O aumento foi puxado por janeiro, uma vez que houve leve redução entre fevereiro de 2012 (7.177 casos) e o mesmo período de 2013 (6.994 casos).

Tudo o que sabemos sobre:
homicídiosSPSegurança Pública

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.