Número de mortes por dengue no Rio cai 70% em um ano

Dados divulgados ontem mostram que, apesar da redução de óbitos, o total de casos aumentou 9% de 2011 para 2012

HELOISA ARUTH STURM / RIO, O Estado de S.Paulo

29 Dezembro 2012 | 02h01

Dados da Secretaria Estadual de Saúde do Rio mostram redução de 70% no número de mortes registradas em 2012 em decorrência da dengue. Segundo o levantamento, feito de 1.º de janeiro a 22 de dezembro, foram 41 óbitos confirmados por dengue - 100 a menos que no mesmo período de 2011. A quantidade de casos, porém, aumentou 9%. Enquanto em 2011 foram notificados 167.488 casos suspeitos de dengue no Rio, neste ano o número chegou a 184.105, sendo 976 casos considerados de maior gravidade. Na capital, foram cerca de 135 mil casos.

Para articular ações entre as cidades do Rio, a secretaria estadual criou neste mês dez Salas de Situação Regional, que funcionarão integradas com as secretarias de saúde dos 92 municípios e a Superintendência de Vigilância Epidemiológica da SES.

"As salas servirão para entendermos como está a dinâmica de transmissão em cada região", disse o superintendente de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da SES, Alexandre Chieppe.

Em São Paulo. Um surto de dengue assusta os 20 mil habitantes de Miguelópolis, a 410 quilômetros da capital paulista. Neste mês, 35 pessoas apresentaram sintomas, mas os resultados dos exames ainda não ficaram prontos.

Até novembro, o Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde havia confirmado 18 casos de dengue na cidade, todos autóctones - as pessoas se contaminaram no local em que vivem. O município, às margens do Rio Grande, na divisa de São Paulo com Minas Gerais, tem lagos na área urbana e há intensa proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença.

Moradores alegam que as ações de controle do mosquito são precárias. / COLABOROU JOSÉ MARIA TOMAZELA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.